BC: Rocha cita recuperação do saldo de crédito na modalidade de cartão à vista

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, citou a recuperação do saldo de crédito para pessoas físicas na modalidade cartão de crédito à vista, que registrou elevação de 7,8% em novembro. A rubrica atingiu um saldo de R$ 218,007 bilhões no mês passado, o que é o maior para a série histórica iniciada em 2007. O saldo de crédito do cartão à vista é considerado um termômetro para o desempenho da economia brasileira na retomada, após os efeitos mais intensos da pandemia do novo coronavírus. O BC divulgou nesta quarta-feira os dados do crédito do mês de novembro

Rocha lembrou que, no fim de ano, o saldo do cartão à vista costuma subir em função do pagamento do 13º salário. Além disso, a Black Friday contribui para o aumento de gastos no cartão à vista. Ao analisar a rubrica de crédito para compra de veículos, Rocha pontuou que o resultado de novembro, de R$ 216,009 bilhões de saldo, também é o maior da série histórica.

Inadimplência

Fernando Rocha também afirmou que uma das razões para a baixa inadimplência em operações de crédito no Brasil, em meio à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, é o fato de os bancos terem promovido nos últimos meses renegociações e repactuações de dívidas.

“Com as renegociações, evita-se que o saldo fique em atraso. Só que o crescimento do saldo total de crédito também contribui para reduzir a taxa de inadimplência”, pontuou. Em novembro, a taxa total de inadimplência no crédito livre atingiu 3,0%. Em fevereiro, antes do acirramento da pandemia, ela estava em 3,8%.

Rocha disse, ainda, que não há informações sobre restrição, por parte dos bancos, do acesso de clientes aos cheque especial. O comentário foi feito, durante a coletiva de imprensa, em um contexto de redução de 20% do saldo de operações com cheque especial em 2020 até novembro, apesar da pandemia do novo coronavírus.

Em tese, a crise provocada pela covid-19 poderia levar a um aumento da busca das famílias por crédito em linhas emergenciais, como o cheque especial. Mas isso não ocorreu. “Temos comentários, nos bancos, de uma menor demanda de cheque especial. Algumas instituições disseram que a procura de clientes por cheque especial não tem sido grande”, afirmou. “Podemos pensar na hipótese de o auxílio emergencial estar ajudando nisso.”