Dicas para aproveitar ao máximo a segunda parcela do 13º

A partir desta semana, milhões de brasileiros vão começar a receber a segunda parcela do 13º salário, que tem como data-limite o dia 20 de dezembro: o benefício deve injetar R$ 208 bilhões na economia este ano. O valor extra que entra no orçamento é bastante comemorado pelos trabalhadores, já que oferece um alívio nas contas de fim de ano, como presentes e ceia de Natal, viagens e até compra de aparelhos, como celulares e televisores, que não estavam previstos.

Mas é preciso se organizar para não entrar em novas dívidas, alerta Amanda Holanda Santos da Cunha, especialista em Educação Financeira do Instituto Sicoob. “Não é porque esse valor a mais chegou que você deve sair gastando. O ideal é, primeiro, ter uma tabela, que pode ser feita tanto no computador quanto à mão, em que você coloca o que recebe e o que gasta”, afirma a especialista.

Isso ajuda, segundo ela, a manter os pés no chão. “Muitas vezes, as pessoas acabam gastando toda a segunda parcela do décimo terceiro sem ter em mente que em janeiro surgem contas que já deveriam estar programadas no orçamento, como IPTU, IPVA e material escolar”, diz. Por esse motivo, ter uma tabelinha em mãos, lembrando o que você ainda vai gastar, é essencial para começar a colocar ordem na casa.

Para Amanda, o ano de 2020 mostrou a importância de ter a famosa “reserva financeira” para quitar gastos do dia a dia em emergências. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, até setembro, 13,5 milhões de brasileiros estavam desempregados: uma alta de 33,1% com relação a maio, quando as medidas de isolamento social se tornaram mais rígidas e a pandemia ficou mais forte no País.

“Foi um ano de muitas mudanças sociais, mas também financeiras na vida das pessoas. Afinal, muita gente perdeu o emprego, não conseguiu voltar ao mercado de trabalho e acabou aprendendo na dificuldade o quanto é importante ter o hábito de poupar”, analisa a especialista.

Especificamente para a segunda parcela do 13º salário, a indicação da educadora financeira é que os trabalhadores não se empolguem ao ver o dinheiro “a mais” na conta bancária. “É preciso lembrar, também, da amortização de dívidas. Muitas vezes, vale a pena negociar um pagamento à vista para encerrar os débitos com alguma instituição e começar 2021 de cara limpa”.

SÃO PAULO