Emergentes têm que mobilizar recursos para evitar armadilha de dívida, diz FMI

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, afirmou nesta terça-feira, 6, que os países em desenvolvimento precisam mobilizar recursos para evitar uma armadilha de dívida. “Alguns emergentes têm espaço fiscal muito limitado”, declarou a líder durante um painel da Reunião de Primavera da instituição.

De acordo com Georgieva, os países devem buscar recursos internamente, por meio de uma coleta eficiente de impostos, assim como externamente, com financiamentos e subsídios.

Na visão dela, o atraso na vacinação contra a covid-19 nos países mais pobres terá impacto na retomada econômica. “Tememos que os emergentes fiquem anos atrás de economias avançadas na recuperação”, alertou.

Nesta terça-feira, o FMI melhorou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) global, mas frisou que há divergências entre a retomada de países avançados e de nações em desenvolvimento.

A visão foi reforçada por Georgieva no painel, que também contou com a presença do principal conselheiro econômico da Allianz, Mohamed A. El-Erian.

“Emergentes podem não gerar crescimento suficiente para compensar uma dívida maior”, disse Georgieva, ao ressaltar que a dívida global está alçando 100% do PIB.