INCC-M sobe 0,71% em novembro ante alta de 0,80% em outubro, mostra FGV

O Índice Nacional de Custos da Construção (INCC-M) desacelerou, de uma alta de 0,80% em outubro para elevação de 0,71% em novembro, informou nesta quinta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, a inflação acumulada pelo índice em 12 meses passou de 15,35% para 14,69%.

A desaceleração do indicador foi puxada pelo arrefecimento do índice de Materiais, Equipamentos e Serviços, de 1,45% para 1,11%. Nas aberturas do grupo, o subíndice de Materiais e Equipamentos desacelerou de 1,68% para 1,23%, com destaque para o alívio de materiais para estrutura (2,12% para 0,73%).

O subíndice de serviços, por outro lado, acelerou de 0,36% para 0,49% em novembro, com avanço de aluguel de máquinas e equipamentos (1,03% para 1,48%).

Nesta leitura, o índice de Mão de Obra avançou de 0,10% para 0,28%. A aceleração foi disseminada entre todos os subgrupos: auxiliar (0,09% para 0,31%), técnico (0,13% para 0,29%) e especializado (0,03% para 0,15%).

Influências individuais

O principal vetor de alívio do INCC-M de novembro foram os tubos e conexões de ferro e aço (-1,55% para -1,19%).

Em contrapartida, as maiores pressões foram exercidas por elevador (0,94% para 2,03%), condutores elétricos (-0,49% para 4,26%) e argamassa (1,02% para 2,15%), além de massa de concreto (2,12% e 1,79%) e ajudante especializado (0,13% para 0,30%).