PPI divulgado pela ANP não reflete preço usado para reajuste, diz Petrobras

O Preço de Paridade Internacional (PPI) divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) não corresponde ao utilizado pela Petrobras, informou a empresa por meio de sua assessoria de imprensa. Segundo o dado divulgado pelo órgão regulador, os preços da gasolina e do GLP nas refinarias da estatal estariam acima dos praticados no mercado internacional e o do óleo diesel, abaixo.

Mas, de acordo com a empresa, as variáveis e a fórmula usadas pela agência não são as mesmas utilizadas pela estatal em seus cálculos de reajuste.

O argumento da Petrobras é que a ANP divulga em seu site uma média semanal dos indicadores de PPI da agência Platts, que, por sua vez, publica diariamente uma referência da paridade de importação para alguns portos no Brasil.

“Assim, o valor divulgado pela ANP, especialmente em períodos de forte elevação ou forte queda nas cotações, não traduz adequadamente a variação dos preços no mercado internacional”, afirma a petrolífera.

Prova disso, de acordo com a Petrobras, é que os preços de paridade da gasolina e do diesel divulgados pela ANP estão abaixo do último preço publicado pela Platts, no último dia 26.

A empresa acrescenta que a ANP não teria capturado, por exemplo, valores publicados pela Platts que demonstram que houve um aumento de até R$ 0,1633 de 22 a 26 de fevereiro no PPI da gasolina e de até R$ 0,1226, no caso do diesel. “A companhia reafirma também que os preços divulgados pelas agências internacionais são apenas referências e que os custos efetivos de importação variam de agente para agente, dependendo de características como, por exemplo, as relações comerciais no mercado internacional e doméstico, o acesso à infraestrutura logística e a escala de atuação”, diz.