Educação implanta modelo cívico-militar e reforça capacitação

A Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná investiu na criação e na ampliação de diversos programas. Ao longo de 2020 foram implantados o programa de intercâmbio Ganhando o Mundo, o curso de formação de docentes Formadores em Ação e a consulta sobre a adoção da modalidade cívico-militar, que foi aprovada por 199 colégios do Estado.

“Importantes projetos tiveram andamento em 2020. Apesar da pandemia, a Educação do Paraná avançou com a capacitação dos nossos professores, que aprimoraram os conhecimentos do uso de novas tecnologias, como videoaulas e aplicativos em sala de aula”, destaca o secretário da Educação e do Esporte, Renato Feder.

Ele também ressaltou o atendimento de uma antiga demanda de parte da sociedade com a criação de 199 colégios cívico-militares, que iniciam o novo modelo já em 2021. “E finalizamos o ano oferecendo vagas de intercâmbio para os jovens paranaenses, que poderão conhecer o mundo”, afirma.

Além da implementação de novos programas, a pasta também apostou na ampliação de projetos, como o Paraná Integral e o Prova Paraná. O primeiro, que consiste na oferta de ensino integral e currículo diferenciado, começou com 17 escolas em 2020 e passará a 34 em 2021. Por sua vez, a Prova Paraná, que promove o diagnóstico do aprendizado dos estudantes, passou a abranger uma disciplina a mais neste ano: a Língua Inglesa.

“Além do conteúdo da Base Nacional Comum Curricular, o estudante do Paraná Integral também vai ter as disciplinas eletivas, como o Projeto de Vida, em que o aluno focará em que ele pensa para o futuro e em como planejá-lo. Também há aulas de Educação Financeira para preparar o estudante para a gestão de sua vida, com um olhar para o empreendedorismo. Então, o Paraná Integral, de fato, forma o aluno na integralidade”, explica o diretor de Educação, Roni Miranda.

FORMADORES EM AÇÃO — Desde julho de 2020, a secretaria estadual da Educação promove o grupo de estudos Formadores em Ação, que consiste em um curso ministrado por professores e destinado, também, aos docentes. A proposta é usar tecnologia e metodologias educacionais ativas para ressignificar práticas pedagógicas curriculares.

Foram ofertados cursos nas áreas de Biologia, Ciências, Língua Portuguesa, Matemática, Geografia, História e Química. Cerca de 8 mil professores participaram como cursistas e mais de 500 atuaram como instrutores. O projeto terá continuidade em 2021.

A professora Léia Desplanches dos Santos, que ensina Ciências e Matemática no município de Cerro Azul, participou do Formadores em Ação e conta que o curso a auxiliou a utilizar novas ferramentas em suas aulas.

“Foi um aprendizado incrível. Confesso que no início do curso fiquei um pouco apreensiva devido ao uso das mídias tecnológicas no formato da educação remota. Mas, a partir do primeiro encontro, já me senti muito bem recebida pela tutora e isso contribuiu muito para que eu pudesse superar as expectativas quanto ao aprendizado e ao próprio curso”, comenta. “Hoje, posso dizer com propriedade que a partir desse curso serei uma outra professora. É maravilhoso saber que estou no caminho certo.”

GANHANDO O MUNDO — Criado em 2020, o programa de intercâmbio Ganhando o Mundo levará 100 estudantes da rede estadual do Paraná para a Nova Zelândia no segundo semestre de 2021. Além de possibilitar o desenvolvimento da autonomia, aperfeiçoamento da língua inglesa e estudo em instituições de ensino estrangeiras, o programa tem como objetivo ampliar o repertório cultural durante a experiência de morar em outro país.

Os alunos selecionados, que devem ter entre 14 e 17 anos e ingressar no Ensino Médio em 2021, farão um curso de inglês gratuito, oferecido pela Secretaria da Educação, no primeiro semestre do próximo ano.

PARANÁ INTEGRAL – O programa Paraná Integral, lançado em 2020, que consiste na oferta de ensino em período único (de manhã e à tarde), foi adotado em 17 colégios do Estado neste ano. Em 2021, o número será ampliado para 34. Além de passar nove horas diárias na escola, os alunos também têm uma grade curricular diversificada. Estudantes do Ensino Fundamental têm, por exemplo, aulas de Empreendedorismo e Programação, enquanto os do Ensino Médio têm Preparação Pós-Médio, Projeto de Vida e Estudo Orientado.

COLÉGIOS CÍVICO-MILITARES — Neste ano, 199 colégios da rede estadual aprovaram a adoção do modelo cívico-militar. A decisão foi tomada após consulta pública com professores, funcionários, alunos maiores de 18 anos e pais e responsáveis legais de estudantes das escolas. Com o novo modelo, os alunos terão aulas adicionais de Português, Matemática e Civismo, com ênfase no estudo de leis e cidadania. Os alunos do Ensino Médio também terão aulas de Educação Financeira.

Além disso, a gestão dos colégios será compartilhada entre o diretor civil e o militar. O primeiro permanece encarregado das questões pedagógicas e o outro é responsável pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança e atividades cívico-militares. O programa é o maior do País na área, com investimento de cerca de R$ 80 milhões.

PROVA PARANÁ – Aplicada em 18 de fevereiro nos 399 municípios do Estado, a Prova Paraná 2020 contou com a participação de 935 mil alunos, 837 mil deles da rede estadual e 98 mil da rede municipal. A prova, criada em 2019, foi expandida neste ano: além de Língua Portuguesa e Matemática, a avaliação passou a contemplar, também, a disciplina de Língua Inglesa.

A iniciativa tem o objetivo de identificar tanto as dificuldades dos estudantes quanto o conhecimento já adquirido por eles. Dessa forma, diagnosticando a aprendizagem e avaliando o desempenho dos alunos, é possível que o professor, a equipe gestora da escola e a secretaria estadual elaborem novas ações de melhoria da aprendizagem. A prova é objetiva e o gabarito pode ser corrigido por meio de um aplicativo.

A avaliação foi aplicada do 5º ano ao 9º ano do Ensino Fundamental, no Ensino Médio Regular, no Ensino Médio Integrado e na Educação de Jovens e Adultos para ambas as etapas (Fundamental e Médio).

Estavam previstas mais duas edições da Prova Paraná neste ano, porém, devido à pandemia, não foram aplicadas as demais avaliações externas. Apesar disso, ocorreram durante todo o ano devolutivas dos resultados da prova de fevereiro por meio de reuniões virtuais, webinários e boletins digitais elaborados pela Secretaria da Educação para todos os Núcleos Regionais de Educação e escolas participantes.

Da AEN