Albino Corazza Neto e Amanda Lopes

O candidato a prefeito Albino Corazza Neto (PDT) é casado com Cerenita Cornelli Corazza e tem quatro filhas. É formado em Contabilidade, Direito e Administração em Agronegócio. Ele jamais perdeu uma eleição que disputou – prefeito de Toledo duas vezes, deputado estadual e vereador em duas ocasiões. Presidiu a Acit, Caciopar, Assoeste e Amop. O Plano de Governo “O Poder da Comunidade” dá prioridade aos setores da Saúde, Educação e Assistência Social. Os setores em que for possível, ele pretende promover concessões públicas de longa duração para que não haja rupturas por questões políticas a cada troca de prefeito.

A candidata a vice-prefeita Amanda Lopes tem 28 anos, é nascida em Toledo, casada com o engenheiro da mobilidade e professor Rafael Avancini, e mãe do Otto. Amanda é formada em Arqueologia e Conservação de Arte Rupestre e tem experiência internacional em escavações. É sócia da Platte Engenharia e é especialista em Gestão de Qualidade Empresarial conforme ISO 9001. Ela assegura que não será uma vice-prefeita meramente figurativa. “Vou despachar ao lado do Corazza. Seremos quatro ouvidos para receber as demandas da sociedade, somando experiência e inovação”.

 

JORNAL DO OESTE (JO): Quais são suas propostas para alavancar a infraestrutura e a logística de Toledo?

 

O impulsionamento da infraestrutura local será feito em parte por meio de investimento direto. Buscaremos apoio dos governos estadual e federal, que diante de um sistema tributário injusto, é a quem compete a obrigação de propiciar aos municípios os recursos mínimos para a implantação e custeio de suas infraestruturas. Daremos atenção às reformas e manutenção dos espaços públicos, da mesma maneira que trabalhemos muito pela ampliação da infraestrutura. Quando assumi o primeiro mandato, Toledo era uma cidade conhecida pelas ruas sem saída e avenidas que acabavam de repente. Fizemos a JJ Muraro, a Parigot do Teatro até a Fiasul, a Maripá na saída para Cascavel. Destravamos a cidade com anel viário, fizemos o Terminal Rodoviário, o Centro Cívico, o Parque Ecológico Diva Paim Barth, o Parque dos Pioneiros, os mutirões habitacionais, as primeiras ligações rurais pavimentadas, atraímos indústrias. Foram obras e conquistas estruturantes com as quais preparamos as bases para o desenvolvimento. Fizemos tudo isso e faremos muito mais e melhor. A produção agrícola e industrial precisa de infraestrutura para o escoamento, bem como a economia depende de um bom desempenho logístico para dar competitividade. Ao passo que logística e infraestrutura têm relação direta, precisam ser pensadas pela gestão pública de forma separada. O espaço urbano requer revisões constantes para atender seu principal usuário: o cidadão. As pessoas precisam se deslocar com agilidade, conforto e segurança. Vamos estudar maneiras de oferecer transporte mais eficiente. Toledo precisa ser projetada para o futuro e é isso o que faremos, ouvindo os setores organizados e dando sentido ao slogan “O Poder da Comunidade”.

 

JO: Quais são os principais projetos para tornar o meio ambiente sustentável em Toledo?

 

Estamos inseridos num território vocacionado para a agropecuária e seus impactos no meio ambiente. Na área urbana, construímos os parques Ecológico e dos Pioneiros e demos início à conscientização ambiental com o Lixo Útil, quando não se falava em reciclagem na cidade. Temos o melhor solo e excelentes condições topográficas. Mas nem sempre foi assim. Quando criamos a Secretaria da Agricultura, executamos com parcerias o programa de microbacias que fez de Toledo um modelo para o Brasil e o exterior. Caravanas vinham de todas as partes conhecer o milagre de Toledo que deu solução às voçorocas que levavam a terra fértil para os rios e fundos de vale. Colocamos fim ao desastre ambiental. Em paralelo, foi iniciada a conscientização dos produtores para a importância da diversificação e nos tornamos imbatíveis na produção de grãos, aves, suínos, peixes, leite, etc. É preciso que se ressalte que esses programas foram o ponto de partida para transformar Toledo no que é: um supercampeão na produção. O título de “Capital do Agronegócio do Paraná” é fruto de uma conquista coletiva, que vem de anos de dedicação dos produtores e estímulo do poder público, sindicatos, cooperativas, Emater e outras entidades. O ministro da Agricultura trouxe a Toledo os 27 secretários estaduais da Agricultura. Pois, continuaremos sendo modelo para o Brasil. Investiremos em projetos sustentáveis, estimulando as parcerias que resultem na utilização de dejetos para a produção de energia e gás. Nossos produtores já possuem essa vontade e a aptidão necessária. Tudo o que eles precisam é de estímulo e é o que faremos.

 

JO: Quais são os planos para melhorar a segurança e o trânsito no município?

 

A segurança se inicia com a rede de vizinhos vigilantes. Queremos uma forte parceria, onde comunidade, polícias, Guarda Municipal e assistência social trabalhem em conjunto. O projeto “O Poder da Comunidade” subdivide a cidade em pequenos núcleos integrados com capacidade de comunicação direta com os sistemas públicos, dando agilidade no atendimento e clareza na identificação de regiões menos seguras. O trânsito é uma questão técnica que precisa ser repensada por uma equipe multidisciplinar com engenheiros, arquitetos, juristas e cientistas. Para intervenções simples utilizaremos a estrutura do município; e quando se tratar de assuntos mais complexos, buscaremos consultorias especializadas que garantam legalmente o sucesso do serviço.

 

JO: Como pretende fazer a gestão da previdência municipal?

 

É um assunto que impacta diretamente a qualidade de vida dos servidores e eles serão convidados à participação. Vamos juntos diagnosticar os problemas e apontar soluções, para que essas demandas sigam para nossa equipe técnica que irá trabalhar para viabilizar, na medida do possível, cada uma das reivindicações.

 

JO: Quais serão suas prioridades na área da saúde em Toledo?

 

A saúde preventiva é o melhor remédio, de forma que investir na rede de atenção primária traz resolutividade ao sistema. Quando se investe nas unidades básicas e nas equipes do Estratégia Saúde da Família o resultado aparece com a diminuição dos casos mais complexos. Aliado a esse sistema, criaremos uma rede de atenção que integra saúde, educação, assistência social e outros serviços. Por outro lado temos a situação vexatória do Hospital Regional. Já passaram três prefeitos e temos uma obra feita de maneira equivocada e com milhões investidos em equipamentos que podem estar enferrujando ou tornando-se obsoletos. O que impressiona é que esses mesmos grupos, envolvendo prefeitos e o atual vice-prefeito, se apresentam como os salvadores da pátria de uma obra que já pode ter custado muitas vidas. É uma vergonha. A primeira medida que tomarei ao assumir o governo será determinar uma auditoria completa que defina a real dimensão do problema e a partir daí encontrar soluções para entregá-lo ao povo.

 

JO: Como fomentar o ensino e o esporte de qualidade no município?

 

Ensino e esporte se interligam com lazer e cultura, quatro elementos base precisam estar sempre em comunicação. O primeiro desafio é garantir o atendimento integral dos Cmeis às famílias que necessitam. Ao passo em que o atendimento se torna pleno, teremos capacidade para interligar projetos de esporte, cultura e lazer para a população, com foco na educação.

O investimento mais complexo não está na infraestrutura necessária, mas nos servidores que dedicam seu trabalho ao ensino. Eles precisam da garantia de seus direitos, como a hora-atividade de 33,3% e da previsão de mecanismos de constante atualização e capacitação. Toledo possui uma boa rede de estruturas voltadas ao esporte e ao lazer, construídas ao longo de anos. Nos nossos mandatos, priorizamos os bairros, democratizando o acesso às comunidades antes distantes do acesso a esses equipamentos.

 

JO: Suas considerações finais?

 

Em minha trajetória na vida pública nunca tive e não tenho nada contra ninguém, mas jamais abri mão de ir fundo na fiscalização e na investigação da coisa pública. Foi assim que conseguimos emplacar duas CPI´s na Câmara Municipal, as quais investigaram a malversação do dinheiro público em lamentáveis episódios que mais que o assalto aos cofres da prefeitura, deveriam ser casos de polícia. Os processos e condenações da justiça são fatos consumados, como é o caso da antiga Cibrazém. A história conta.

Jamais abri mão da escolha dos meus vices. A escolha da Amanda, que é uma mulher jovem e mãe, de excelente família, me dá tranquilidade para não se repetir em Toledo o escândalo da escolha de um vice-prefeito pelos interesses políticos e econômicos do momento, tanto do atual, como do que pretende ser vice.

Toledo tem hoje um vice que brigou com o prefeito e não trabalha dentro dos princípios para o qual foi eleito, em prejuízo dos munícipes. Eles viraram inimigos e agora disputam o cargo de prefeito. Isso jamais poderia acontecer, pois o vice deve ser da extrema confiança do prefeito.

A Amanda despachará junto comigo, como uma prefeita em exercício permanente das funções, aliando a minha experiência com a inovação que ela representa.

Ainda, convido e todos que procurem a verdade real sobre as nossas gestões. Se você percorrer a cidade e o interior vai perceber que em dois mandatos nós provavelmente construímos mais soluções de obras, investimentos e atração de indústrias do que em toda a história do município.

Eu e Amanda temos uma visão muito clara para a geração de emprego e renda: o empreendedor não decide por um investimento no tempo do poder público, mas no seu tempo. Aconteceu assim com a Unipar e a Prati-Donaduzzi, que só se instalaram em Toledo porque no segundo governo fomos rápidos na tomada de decisão e Toledo venceu a forte concorrência dos nossos vizinhos.

Foram conquistas que valeram o mandato. Toledo ganhou um grande capital intelectual e a geração de milhares e milhares de empregos.

A Unipar foi o ponto de partida da consolidação do Polo Universitário e expansão do mercado imobiliário. A Prati-Donaduzzi transformou-se na maior indústria farmacêutica produtora de genéricos do Brasil e uma das maiores fontes de arrecadação de impostos. O Biopark que está sendo estruturado é consequência do sucesso da Prati-Donaduzzi. Ponto para Toledo.

Pedimos o seu voto de confiança porque já provamos o que fizemos e vamos fazer muito mais. Toledo será uma cidade que o Brasil inteiro vai vir conhecer novamente pelo trabalho da população organizada. E lanço um desafio: se alguém votar no Corazza e na Amanda e se arrepender, nos procure que nós vamos indenizar o arrependimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *