Endemias fará novo LIRAa na próxima semana

20

Na próxima semana a equipe do setor de Endemias de Toledo fará o segundo Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa) do ano. As atividades começarão na segunda-feira (26) e a previsão é que até a próxima sexta-feira (30) os dados estejam contabilizados. A partir dos dados, a equipe intensificará as ações nos bairros com maior índice de infestação.

Para realizar o Levantamento, os agentes irão visitar cerca de cinco mil imóveis residenciais e comerciais dentro da cidade de Toledo. O primeiro Levantamento do ano, realizado em janeiro, apontou índice de 4,5% de infestação, considerado alto e preocupante para o município. Para este novo Levantamento, a coordenadora do setor de Endemias Lilian Fátima Konig acredita que osnúmeros serão bem melhores.

De acordo com o dados do setor de Endemias o município tem 421 notificações de dengue no ano epidemiológico (agosto2020 – julho2021) e 21 casos confirmados, sendo 18 autóctones e três importados.

“No início do ano estávamos com uma condição de muita chuva e agora, por causa da estiagem, estamos numa situação mais tranquila. Alguns municípios da região estão em epidemia de dengue e Toledo está com a situação controlada. Isso se deve ao trabalho intenso dos agentes que agem rapidamente quando aparece um caso no município”.

CUIDADOS – Lilian enfatiza que o trabalho dos agentes de Endemias busca identificar locais que podem ser criadouros do mosquito da dengue, além de orientar a população sobre os cuidados com as casas e quintais e eliminar objetos que possam acumular água.

“Muitas vezes os agentes visitam o mesmo bairro mais de uma vez num intervalo de tempo muito curto, e até a mesma rua por conta de notificações. É uma preocupação para eliminar as larvas para não termos uma epidemia de dengue. Os sintomas da dengue são muito parecidos com o da Covid-19. Não podemos sobrecarregar o sistema de Saúde, por isso não devemos relaxar com os cuidados”, reforça a coordenadora.

NOTIFICAÇÕES – Além das visitações nos imóveis residenciais e comerciais, a coordenadora cita outras ações que são realizadas para evitar a proliferação da dengue em terrenos baldios com mato e lixo. Em muitos deles com potes, pneus velhos, garrafas e recipientes que possam acumular água e servir de ‘berçário’ para o mosquito da dengue.

“Quando localizamos um lote vazio e com mato fazemos uma busca para identificar o proprietário. Nós ligamos solicitando para limpar o lote. Se em uma semana o local não for limpo então encaminhamos um ofício para a Secretaria do Desenvolvimento Ambiental e Saneamento para notificar o proprietário”.

Apesar de encontrar ainda muitos terrenos com mato e lixo, Lilian explica que os proprietários têm colaborado com a limpeza dos espaços. “Neste ano encaminhamos somente dois ofícios porque não conseguimos localizar os proprietários dos lotes. No geral, os proprietários desses lotes que ainda têm mato estão colaborado com as ações da equipe de Endemias”, conclui.

Da Redação

TOLEDO