Atletas de surfe e skate vibram com chance de ajudar Brasil no quadro de medalhas

A entrada de surfe e skate no programa olímpico tem tudo para alavancar o Brasil no quadro de medalhas dos Jogos de Tóquio. Com seleções bem competitivas, estimativas dão conta de que as duas modalidades juntas podem conseguir entre seis a oito pódios, o que seria um feito incrível, graças ao ótimo momento dos atletas que representarão o País.

“Sem dúvida existe esse desejo de medalha, tanto no skate quanto no surfe, pois estamos mostrando ao mundo nossa potência e talento. Vamos representar nossa bandeira, nossa nação, e isso é prazeroso. Temos a oportunidade de fazer parte dessa história e isso nos motiva para conquistar nossos sonhos”, afirmou Italo Ferreira, que vai competir no surfe e é o atual campeão mundial.

Além dele, a equipe nacional terá Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Gabriel Medina, bicampeão mundial e também bastante cotado para a medalha. “As expectativas são grandes tanto no surfe quanto no skate. Temos excelentes atletas e as performances nos últimos anos têm chamado atenção tanto no Brasil quanto fora. Fico feliz de fazer parte desse time, é um timaço”, diz Medina, que também participou nesta quinta de um evento do Time Oi.

Em 2016, ele teve a possibilidade de visitar a Vila Olímpica durante os Jogos do Rio e já sentiu um pouco o gostinho de uma competição deste porte. “O Brasil está em um momento muito bom nas duas modalidades. Conseguimos colocar na água ou numa pista de skate essa vontade. Acho que a competição vai ser irada e com certeza vamos sair de lá com medalhas.”

No skate, o Brasil também tem tudo para brilhar. A maior expectativa está no street feminino e alguns apontam inclusive a chance de um pódio triplo com Pâmela Rosa, Rayssa Leal e a experiente Leticia Bufoni, que sabe do potencial das brasileiras, mas também aponta para o crescimento das japonesas nos últimos anos.

“O time japonês é um dos mais fortes. Elas mostraram que não estão de brincadeira, mas não tenho dúvida de que o time brasileiro está muito forte e pode dar muitas alegrias. O Brasil é um dos times mais fortes, só não sei quantas medalhas vão vir. Estou muito ansiosa para representar o Brasil, passei por lesões, então não vejo a hora de chegar lá e trazer uma medalha”, contou Leticia.

Pedro Barros, representante da modalidade park do skate e considerado um dos melhores do mundo, lembra que o aspecto mental será importante nos Jogos de Tóquio. Ele aposta em uma grande visibilidade para surfe e skate nos Jogos. “Quero trazer a medalha, mas a busca maior é aproveitar essa oportunidade que a Olimpíada traz. Não precisamos de medalha para mostrar o que somos. A gente vem de uma geração que é a grande responsável por levantar a bandeira do Brasil, no skate e no surfe, pelo mundo afora.”

Para ele, o importante é apresentar aos fãs o estilo de vida das duas modalidades. “Espero que a gente possa passar um pouco os valores e a essência que a gente carrega, de união, compaixão, amor, parceria e amizade. A gente busca ser o melhor dentro do campeonato, mas a gente ama ver nossos parceiros conquistarem também. Isso está em falta no mundo. Que a gente deixe uma mensagem de carinho para as pessoas que olharem a gente na pista ou na água”, concluiu.