Bélgica e Itália fazem confronto estelar pelas quartas de final da Eurocopa

Romelu Lukaku contra Ciro Immobile, Kevin De Bruyne contra Marco Verratti. O jogo entre Bélgica e Itália, em Munique, nesta sexta-feira, às 16 horas (de Brasília), pelas quartas de final da Eurocopa, será um duelo estelar. Para a torcida brasileira é uma boa oportunidade de ver seleções que podem cruzar o caminho do Brasil na Copa do Mundo de 2022, no Catar. No último Mundial, inclusive, a seleção brasileira foi eliminada pela Bélgica. Já a Itália é uma velha adversária do Brasil em Copas, com disputas até em finais, como em 1970 e 1994.

Os italianos chegam ao jogo desta sexta-feira depois de terem sobrevivido à prorrogação contra a Áustria (2 a 1), enquanto que a Bélgica obteve uma vitória difícil sobre o atual campeão Portugal (1 a 0).

O aspecto físico preocupa a Bélgica. De Bruyne, peça chave no esquema ofensivo belga, está se recuperando de uma lesão no joelho. E o meia Eden Hazard, sofre com dores na coxa. Eles são os dois principais atletas ofensivos do time belga. De Bruyne é um dos melhores da Europa e defende o Manchester City, comandado pelo técnico espanhol Pep Guardiola.

Até momentos antes do início da partida na Allianz Arena, a comissão técnica da Bélgica estará acompanhando os relatórios médicos de suas duas estrelas e vendo como eles se comportam. “Será uma corrida contra o relógio”, avisou o técnico espanhol Roberto Martínez. “A decisão (sobre a escalação de ambos) será tomada no último minuto”.

Do lado da Itália, o técnico Roberto Mancini tem uma única dúvida: o zagueiro Giorgio Chiellini, que se machucou na partida contra a Suíça e também faz tratamento intensivo. Após ficar fora da Copa do Mundo de 2018, na Rússia, o time vive grande fase e acumula 31 jogos sem derrota. “Vamos enfrentar talvez a melhor seleção da Europa, ou mesmo do mundo, junto com a França. Se há três anos estão no topo do ranking mundial da Fifa é porque eles fazem coisas muito boas”, elogiou o treinador.

Para a Bélgica, essa Eurocopa é a oportunidade de a seleção confirmar a maturidade de uma geração de ouro com o primeiro título de prestígio. No Mundial da Rússia, em 2018, o time chegou até as semifinais, passando pelo Brasil de Neymar e Tite. Na Eurocopa de 2016, chegou nas quartas de final.

Se no ataque o time conta com vários jogadores talentos, o diferencial dessa vez pode ser a experiência dos defensores. Thomas Vermaelen (35 anos), Toby Alderweireld (32) e Jan Vertonghen (34) souberam bloquear Cristiano Ronaldo nas oitavas de final. “Esses três elevaram muito o nível da nossa defesa”, elogiou Martínez. Bélgica e Itália é apontado para ser um dos melhores jogos dessa edição da Eurocopa.