Herói da Itália, Jorginho tem dupla nacionalidade e nunca atuou no Brasil

A tensão que tomou conta dos torcedores no estádio de Wembley, em Londres, no empate em 1 a 1 entre Itália e Espanha contrastou com a frieza de Jorginho. O brasileiro naturalizado italiano esbanjou categoria ao converter a cobrança que colocou a seleção italiana na final da Eurocopa, nesta terça-feira.

O pênalti convertido por Jorginho levou torcedores e comissão técnica à euforia. Após a Itália abrir o placar com Chiesa no primeiro tempo, a vaga na finalíssima ficou ameaçada após Morata igualar o marcador na segunda etapa. Com as equipes extenuadas, a partida foi decidida nas penalidades, e a estrela do camisa 8 da seleção italiana brilhou.

Natural de Imbituba, no sul de Santa Catarina, Jorginho nunca atuou profissionalmente no futebol brasileiro. Aos 15 anos de idade, rumou à Itália, onde se formou nas categorias de base do Verona. Após início difícil, com empréstimo para o modesto Sambonifaces, o jogador ganhou destaque. As boas atuações renderam uma transferência para o Napoli, em 2014.

Na equipe napolitana, o meia ganhou visibilidade no país europeu, sendo um dos principais atletas do time formado por Maurizio Sarri. Com cidadania italiana, foi convocado para defender a seleção nacional pela primeira vez em 2016. Anteriormente, o jogador chegou a atuar na base do Brasil, mas optou pela Itália por atuar desde jovem no país.

Com a ida de Sarri para o Chelsea, o brasileiro se transferiu para o clube inglês por 50 milhões de euros (cerca de R$ 230 milhões no câmbio atual), em 2018. Logo na sua primeira temporada em Londres, conquistou o título da Liga Europa sobre o rival Arsenal.

Aos 28 anos, Jorginho foi um dos pilares da conquista do título da Liga dos Campeões pelo Chelsea, em maio deste ano, sendo eleito para a seleção do torneio.

A Itália volta a campo no domingo, às 16h, quando disputa a final da Eurocopa. O segundo finalista será decidido nesta quarta-feira, na partida entre Inglaterra e Dinamarca.