Justiça faz novo bloqueio e Guarani estuda devolver Matheus Davó ao Corinthians

Matheus Davó segue sem poder ser registrado pelo Guarani para a disputa do Campeonato Paulista. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) emitiu um ofício, o qual afirma ter retirado o bloqueio, a pedido do juiz Gabriel Baldi de Carvalho, da 5.ª Vara Cível da Comarca de Campinas, do Tribunal de Justiça de São Paulo, referente a ação da RDRN Participações e Empreendimentos LTDA, mas informou que há uma segunda ação que impede ainda o clube de registrar o atleta.

A ação referida foi movida pela United Arenas e está no sistema desde janeiro de 2017. A dívida com a empresa é de R$ 920 mil, além de multa de R$ 170 mil. O juiz Celso Alves de Rezende, da 7.ª Vara Cível de Campinas, determinou a penhora dos direitos econômicos de Matheus Davó, além do bloqueio junto à CBF.

Ciente da nova ação, o Guarani estuda devolver o atleta para o Corinthians. Matheus Davó tem contrato com o time campineiro até o fim de maio. O atacante já desfalcou a equipe do técnico Allan Aal contra Botafogo-SP (vitória por 1 a 0), Red Bull Bragantino (empate por 1 a 1) e São Bento (empate em 0 a 0).

O CASO – O processo inicialmente determinou a penhora dos direitos econômicos do jogador como garantia de uma dívida do Guarani com a empresa RDRN Participações e Empreendimentos LTDA. Quando o jogador foi transferido ao time bugrino, o clube foi obrigado a realizar um pagamento à empresa.

Mesmo após já ter feito um pagamento, quitou parcela no valor de R$7.790,93. Então o juiz deu um prazo de 48 horas para que a empresa se manifestasse. Eles alegaram que faltava o pagamento no valor de R$ 7.186,53. O magistrado entendeu cabível a alegação e permaneceu com o bloqueio até que o Guarani pague o valor.

A 5.ª Vara Cível de Campinas, no entanto, entendeu que Matheus Davó não poderia ser prejudicado já que a dívida não era dele e liberou o registro. O jogador ainda foi intimado para prestar esclarecimentos sobre o caso.

No entanto, devido à uma ação envolvendo a United Arenas, a 7.ª Vara Cível bloqueou novamente o registro do jogador, impedindo o Guarani, que o emprestou junto ao Corinthians, de utilizar o atleta.