Palmeiras fecha acordo com WTorre para construção da nova sala de troféus

O Palmeiras, enfim, vai atender a um dos principais desejos dos seus torcedores. Nesta terça-feira, o clube chegou a um acordo com a WTorre para a criação da sala de troféus dentro do Allianz Parque, inaugurado em 2014. O contrato terá duração de pouco mais de 23 anos, quando chegará ao fim o prazo de exploração do estádio pela Real Arenas, empresa da WTorre responsável pela gestão da arena.

O acordo prevê a locação, por parte do clube, de uma área de cerca de 2200m² no primeiro andar do Allianz Parque, com 80 metros de espaço com vista para a portaria da Palestra Itália e para os jardins do clube social, onde se encontram os bustos dos ídolos Ademir da Guia, Dudu, Junqueira, Marcos, Oberdan Cattani e Waldemar Fiúme.

Desde junho de 2010 a torcida alviverde não tem um espaço para visitar e relembrar a história da equipe. A antiga sala ficava no Palestra Itália e servia para guardar as principais conquistas, fotos e itens históricos do clube. A localização era em um salão sob as arquibancadas do estádio, que foi demolido para a reforma feita entre 2010 e 2014. Desde 2011, as mais de 6 mil taças do clube estão guardadas na Academia de Futebol, na sala da presidência do clube e em um depósito na zona norte da capital.

Desde 2017 o Palmeiras montou uma comissão para reorganizar o projeto do memorial e conversar com gestores da arena. A pressão para se ter o memorial era grande entre conselheiros e também por parte da torcida. O novo espaço com as conquistas palmeirenses ficará muito próximo da antiga sala de troféus do Palestra Itália.

“A sala de troféus é uma demanda recorrente dos nossos torcedores. Existiam muito detalhes nesse projeto para serem discutidos entre Palmeiras e a WTorre. A nossa história é grandiosa e precisa estar à disposição de todos”, afirmou o presidente Maurício Galiotte.

O cronograma prevê a abertura da sala de troféus para setembro, mas, segundo o Palmeiras, um esforço será feito para que a inauguração aconteça na última semana de agosto, a tempo da comemoração do aniversário de 107 anos do clube. Até lá, todas as taças passarão por um minucioso trabalho de manutenção.

“O Palmeiras é amplamente reconhecido como um clube de vanguarda, um clube que traz ações disruptivas para o mercado em que ele atua. A nossa parceria consolidou este fato e temos certeza absoluta de que é só o começo. Nós temos muitos anos pela frente e vamos pensar cada vez mais em trazer novidades que possam tornar a experiência no esporte e no entretenimento ainda mais prazerosa”, afirmou Luís Fernando Davantel, CEO da WTorre.

O espaço que vai acomodar os troféus é a etapa inicial da criação do projeto do memorial, cuja fase técnica, já concluída, será deixada como legado para a próxima gestão. Tanto a área alugada quanto a infraestrutura instalada no local deverão ser utilizadas futuramente na construção do memorial.

A ideia é que exista um complexo de lazer e entretenimento, com ao menos cinco restaurantes e outras opções para os torcedores. “Será uma área que vai funcionar de domingo a domingo. Queremos que os torcedores que venham ao estádio não venham só para os jogos”, explicou Davantel.

“O grande diferencial do memorial é permitir que o palmeirense veja a história gigantesca do clube materializada em um espaço. O que a gente chama de arena viva é o lugar onde a experiência acontece e a emoção é exacerbada”, acrescentou o CEO da WTorre.