Ponte Preta é condenada e terá de pagar mais de R$ 1 milhão a Eduardo Baptista

A Ponte Preta foi condenada a pagar R$ 1.014.201,48 ao técnico Eduardo Baptista, que está hoje à frente do Mirassol. A ação começou a correr em maio de 2019 e diz respeito à demissão do treinador em 2018. A Câmara Nacional de Resoluções de Disputas, órgão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), foi quem condenou o clube paulista. Mas ainda cabe recurso contra a decisão.

A CNRD foi listada pelas duas partes como a esfera responsável por qualquer item do contrato. O processo de Eduardo Baptista começou em R$ 695 mil por verbas rescisórias, multa por descumprimento de acordo e FGTS em atraso. A Ponte Preta, segundo a defesa do treinador, se comprometeu a pagar o valor em cinco parcelas, mas não cumpriu.

Agora, então, terá de arcar mais de R$ 1 milhão. A Ponte Preta ainda aguarda a intimação para tomar as providências. Isso ocorrendo, serão dez dias para o cumprimento da sentença.

Eduardo Baptista esteve na Ponte Preta em 2016 e voltou em 2017, quando amargou o rebaixamento à Série B. Dispensado em 2018, ele entrou com processo em 2019 contra o time.

Em campo, a Ponte Preta também vive situação incômoda. Derrotada pelo ameaçado Botafogo-SP, por 2 a 1, a Ponte Preta caiu para o oitavo lugar da Série B, com 40 pontos, e viu o rival Guarani ultrapassá-la. Na 28.ª rodada, o time do técnico Marcelo Oliveira tentará a reabilitação contra o Avaí na sexta-feira, às 19h15, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.