Presidente do Benfica deixa a cadeia e vai cumprir prisão domiciliar em Portugal

Cinco dias após ser preso em Lisboa sob acusação de crimes de fraude fiscal, abuso de confiança e lavagem de dinheiro na Operação Cartão Vermelho, o presidente do Benfica, Luís Felipe Vieira, deixou a cadeia na noite deste sábado e vai cumprir prisão domiciliar enquanto aguarda julgamento.

O dirigente português ainda terá de pagar fiança de três milhões de euros (aproximadamente 19 milhões de reais). Vieira e outras três pessoas estão sendo investigados como parte da Operação Cartão Vermelho por possível desvio de dinheiro e sonegação fiscal.

O advogado de defesa do eterno dirigente de 72 anos, Manuel Silva, disse que o presidente do Benfica nega qualquer irregularidade em seus 17 anos de mandato. O clube não está sob investigação.

No comando do Benfica desde 2003, Vieira ficará afastado de suas funções enquanto a investigação não termina. Rui Costa, ex-estrela da equipe e da seleção portuguesa, que era vice-presidente do clube, assumiu a gestão de maneira provisória.

O empresário Bruno Macedo, que representou Jorge Jesus na renovação com o Flamengo e agiu na ida do treinador para o clube português, também estava preso na mesma investigação e responderá ao processo com prisão domiciliar.