Ruim atrás e devendo na frente, São Paulo busca ajustes por reabilitação fora

Hernán Crespo disse que apenas com trabalho poderá resgatar o São Paulo que encantou e venceu o Campeonato Paulista. E o treinador precisará melhorar muito sua equipe em dois aspectos se quiser desencantar com dois jogos longe de casa. A defesa voltou a sofrer muitos gols e o ataque está mal.

São dois jogos seguidos longe do Morumbi, diante do Ceará, no Castelão, e o clássico com o Corinthians, na Neo Química Arena. Ainda sem vitórias e com desempenho de 16,6%, seu time perdeu as três como visitante e nenhum gol fez.

Arboleda foi flagrado na balada e depois se apresentou à seleção colombiana, enquanto Miranda está com o Brasil na Copa América. Sem seus dois pilares, o setor defensivo não consegue mais passar em branco.

Foram gols em cinco jogos seguidos. Diante do Fluminense, só não acabou vazado porque Tiago Volpi defendeu um pênalti. “Fechar a casinha” é o primeiro passo que o técnico tentará nas visitas aos alvinegros.

“Temos que melhorar! E que não façam mais gols nos nossos erros. No primeiro gol, eu errei, e no segundo, erro nosso também”, analisa Benítez, admitindo que as falhas vêm custando caro. São oito gols sofridos, média acima de um por partida. “Vamos trabalhar para reverter a situação”, completa o treinador.

Bruno Alves é o único experiente no setor. Do mais, meninos, casos de Léo e Diego. Passar tranquilidade virou uma das metas. Reinaldo volta no Castelão, assim como Daniel Alves, desde o início, para darem suporte à defesa.

Outro ponto que terá atenção especial é o ataque. Sem Luciano, ninguém se firma para anotar os gols. Vitor Bueno entrou bem diante do Cuiabá e vive esperança de ganhar chance, assim como Pablo. Benitez, porém, pode novamente “quebrar galho” mais adiantado. Ainda mais com as dores musculares de Rigoni, a lesão de Gustavo Sara e o fato de Éder ainda não ter se adaptado.