Sem perder sets, Nadal avança às semifinais em Barcelona; Djokovic ganha em casa

Após duas vitórias apertadas em três sets nos dois primeiros jogos no ATP 500 de Barcelona, o espanhol Rafael Nadal teve nesta sexta-feira um triunfo mais tranquilo para avançar às semifinais do torneio disputado em quadras de saibro na Espanha. O atual número 3 do mundo e cabeça 1 da competição não teve tanta dificuldade diante do britânico Cameron Norrie, que acabou superado em parciais diretas, com placar final de 6/1 e 6/4.

Apesar de sair de quadra com mais uma vitória na terra batida, a 450.ª da carreira, Rafael Nadal não ficou muito satisfeito com o seu desempenho nesta sexta-feira e resolveu esticar o dia em uma sessão de treino pós-jogo. E já tinha feito o treinamento de aquecimento antes de encarar o britânico.

Primeiro tenista da história a conseguir 450 vitórias em dois pisos diferentes – tem 490 no sintético -, Nadal terá pela frente nas semifinais o compatriota Pablo Carreño Busta, cabeça 6 em Barcelona, que derrotou o argentino Diego Schwartzman, quarto pré-classificado por 2 sets a 1 – com parciais de 6/4, 3/6 e 7/5.

Dois principais rivais de Rafael Nadal no circuito profissional, Roger Federer e Novak Djokovic estão bem longe de conseguir tantas vitórias em dois pisos distintos. O suíço tem 783 vitórias no sintético, 223 no saibro e 298 na grama. Já o sérvio tem 613 no sintético e 226 no saibro.

No outro lado da chave em Barcelona, o grande momento do grego Stefanos Tsitsipas ganhou mais um capítulo nesta sexta-feira. Campeão do Masters 1000 de Montecarlo, ele venceu a sua oitava partida seguida e já está nas semifinais. Sua vítima mais recente foi o canadense Felix Auger-Aliasisme, que não foi páreo para o número 5 do mundo e acabou eliminado com duplo 6/3.

Tsitsipas terá agora pela frente o italiano Jannik Sinner, que venceu com autoridade o russo Andrey Rublev, triunfando também em sets diretos por 6/2 e 7/6 (8/6). Será a terceira vez que os dois medirão forças no circuito profissional e o duelo servirá de tira-teima, já que o grego levou a melhor no Masters 1000 de Roma, em 2019, e o italiano deu o troco no mesmo torneio um ano depois.

NA SÉRVIA – Depois de uma vitória tranquila em sua estreia no ATP 250 de Belgrado, também disputado no saibro, Novak Djokovic mais uma vez teve uma grande atuação no torneio em casa. Nesta sexta-feira, ele mediu forças com o compatriota Miomir Kecmanovic e não tomou conhecimento do rival, que foi arrasado com parciais de 6/1 e 6/3.

Classificado às semifinais, o número 1 do mundo vai encarar o russo Aslan Karatsev, cabeça de chave número 3, que ganhou do italiano Gianluca Mager, que veio do qualificatório, por 2 sets a 0, com parciais de 6/3 e 6/4. Novak Djokovic bateu o russo na semifinal do Aberto da Australian deste ano, na única vez que duelaram até agora.

Após a vitória, mais uma vez o sérvio foi questionado sobre a vacinação contra a covid-19, uma vez que muitos jogadores aproveitaram a chance e foram vacinados durante a disputa do ATP 250 de Belgrado. O número 1 do mundo preferiu não se posicionar sobre o assunto e defendeu o livre arbítrio, cada um tomando sua própria decisão sobre a imunização.

“Estou muito feliz que eles possam escolher. Meu irmão me disse que muitos jogadores queriam se vacinar aqui. A verdade é que há pouca clareza sobre a obrigatoriedade ou não da ATP na hora de se vacinar. Sou um daqueles que apoiam a decisão livre. Se serei vacinado ou não, guardo isso para mim, não quero que a imprensa fale sobre isso e espero que minha decisão seja respeitada”, disse.

“Sinto que é um assunto muito delicado. As pessoas ficam muito entusiasmadas com isso e eu entendo, muita gente quer voltar ao normal o mais rápido possível e não se infectar. Mas quando se trata de vacinação, defendo o livre arbítrio. Não quero me envolver com nenhum dos dois lados”, acrescentou o líder do ranking.