Com o fim da concessão de rodovias, colaboradores serão desligados

A última sexta-feira (26) foi um dia histórico no Paraná: o fim da concessão de rodovias implementada em 1997. Com o novo projeto em fase de análise pelo Tribunal de Contas da União (TCU), o governador Carlos Massa Ratinho Junior determinou que o modelo atual não se estendesse no Estado para além do previsto em contrato.

Os pedágios desativados na sexta foram em Jacarezinho, Jataizinho e Sertaneja (relativos à Econorte); Arapongas, Mandaguari, Presidente Castelo Branco, Floresta, Campo Mourão e Corbélia (relativos à Viapar) e São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói (relativos à EcoCataratas).

Neste sábado (26), são abertas as cancelas dos pedágios de Prudentópolis/Relógio, Irati, Porto Amazonas, Imbituva e Lapa (relativos à Caminhos do Paraná), Balsa Nova, Palmeira, Carambeí, Jaguariaíva, Tibagi, Imbaú e Ortigueira (relativos à Rodonorte) e de São José dos Pinhais (Ecovia).

PROFISSIONAIS – Com o fim da concessão de rodovias, muitos trabalhadores serão desligados, como é no caso da Ecocataratas. Atualmente, ela possui 1.048 colaboradores, sendo 330 diretos e 718 indiretos. De acordo com a Assessoria de Imprensa, o desligamento dos colaboradores diretos irá ocorrer somente após o último dia de operação do contrato de concessão, que foi finalizado em 26 de novembro e seguiu todas as regras previstas nos contratos de trabalho, assim como todas as diretrizes estabelecidas por lei.

A Assessoria de Imprensa ainda informa que serão resguardados todos os direitos trabalhistas e a Ecocataratas busca a melhor forma possível para conduzir este processo junto aos seus colaboradores disponibilizando suporte psicológico e social, por meio de empresa especializada.

A empresa ainda dará atenção especial aos benefícios oferecidos, dado o momento de término do contrato coincidir com o fim do ano. “Apoio para recolocação profissional e uma comunicação próxima e transparente com cada um dos colaboradores”, informa.

OBRIGAÇÕES – Além disso, a Ecocataratas ressalta que nestes 24 anos de concessão cumpriu com as obrigações do contrato, colaborando com mais de 20 mil pessoas por meio de projetos sociais, mais de 800 mil ocorrências atendidas no trecho de concessão, mais de R$ 200 milhões repassados em ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) aos 18 municípios que fazem parte da área concessionada. “Cascavel é a cidade que mais recebeu recursos, totalizando R$ 26,9 milhões. Em seguida, Guaraniaçu e Céu Azul, com R$ 20,4 milhões e R$ 19,4 milhões, respectivamente. Já os investimentos realizados, a soma ultrapassa R$1,7 bilhão em obras de melhoria e manutenções ao longo desses 24 anos, garantido fluidez, conforto e segurança aos usuários”.

A EcoCataratas atua de Foz do Iguaçu a Guarapuava, isso dá 387,1 quilômetros. “Temos cinco praça de pedágio nas cidades de São Miguel do Iguaçu, Céu Azul, Cascavel, Laranjeiras do Sul e Candói e seis bases de apoio aos motoristas (SAUs). Dispomos de seis guinchos leves e quatro guinchos super pesados e ainda contamos com três caminhões pipa para combate a incêndio, dez inspeções de tráfego que trafegam no trecho concessionado durante 24 horas, três carretas reboque – boiadeiro (transporte de animais), três carretas reboque para emergências ambientais”, finaliza.

Da Redação

TOLEDO