Em 12 dias, operação da PM cumpre mais de 200 mandados de prisão em todo o Estado

A Polícia Militar do Paraná já cumpriu 214 mandados de prisão em todo o Estado durante ações da Operação Báratro. Há 12 dias os policiais do Centro de Inteligência da PM estão unindo esforços, em conjunto com as unidades de área, para localizar pessoas que tenham mandados de prisão ou de busca e apreensão (no caso de adolescentes) em aberto.

Para que sejam efetivamente presas ou apreendidas, os policiais militares fazem uma análise de inteligência e o uso de técnicas operacionais para localizar e deter essas pessoas.

“Foi um trabalho intenso de todas as agências locais e regionais de Inteligência e, graças a esse empenho, esses marginais foram presos e já estão à disposição da Justiça”, disse o comandante-geral da PMPR, coronel Hudson Leôncio Teixeira. “A operação vai continuar e nosso objetivos é tirar estas pessoas das ruas para que a população tenha mais tranquilidade”.

O Centro de Inteligência da Polícia Militar está coordenando a operação e já houve prisões realizadas por 36 agências de inteligência espalhadas pelo Estado. O 1º Batalhão de Polícia Militar (Ponta Grossa e região) se destaca até o momento com 20 mandados cumpridos, seguido pelo 4º BPM (Maringá e região), com 16 mandados, 22º BPM (Colombo e região), com 15, e pela 4ª CIPM (Zona Norte de Londrina), com 14.

Em uma das situações, os policiais do 28º BPM fizeram um levantamento de informações de que na cidade de Papanduvas, no estado de Santa Catarina, havia um homem com um mandado de prisão em aberto. Com o apoio da Polícia Militar catarinense foi possível localizar o suspeito e, com ele, foram apreendidos drogas, dinheiro, balança de precisão e duas armas de fogo.

Ainda de acordo com o coronel Hudson, retirar essas pessoas de circulação é importante para a segurança da sociedade e para acabar com a sensação de impunidade. “O indivíduo que já foi condenado e não está cumprindo a pena pode ter a impressão que vai ficar impune e isso não aconteceu com esses casos, são mais de 200 presos que estão pagando os seus delitos dentro do que a lei prevê”, disse.

Da AEN