Endividamento segue praticamente estável no Paraná

O endividamento dos paranaenses teve pequena elevação no mês passado. Segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), 89,2% das famílias do estado possuíam algum tipo de dívida em fevereiro. O indicador está levemente acima do apresentado em janeiro, quando a parcela da população endividada era de 89,1%. Já na comparação com o ano passado, o endividamento teve redução de 0,5 pontos percentuais.

Tradicionalmente com grande volume de dívidas, as classes A e B vêm buscando reduzir os gastos nos últimos meses. Em fevereiro, 92,7% das famílias com renda superior a dez salários mínimos estavam endividadas, ante 93,3% em janeiro. Por outro lado, o endividamento subiu entre as famílias de menor renda, passando de 88,2% em janeiro para 88,4% no mês passado.

As condições de pagamento pioraram pelo segundo mês consecutivo. As famílias com contas em atraso subiram de 26,3% em janeiro para 26,5% em fevereiro. Já as que reconheciam não ter condições de quitar seus débitos correspondiam a 12,0% em fevereiro ante 11,9% em janeiro.

TIPOS DE DÍVIDAS – No topo dos motivos de endividamento, como sempre, ficou o cartão de crédito, com 72,1%. Na sequência ficou o financiamento de veículo, que teve um saldo na variação mensal, ao passar de 7,6% em janeiro para 10,1% em fevereiro. O financiamento imobiliário também subiu de 8,5% para 9,2%.

CURITIBA