Governadores do Codesul reforçam planejamento integrado para o crescimento regional

Os governadores do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, de Santa Catarina, Carlos Moisés, do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja – estados que compõem o Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) – se reuniram nesta terça-feira (30) no Palácio Iguaçu, em Curitiba, e reafirmaram o compromisso em desenvolver um planejamento integrado que prepare a região para os próximos 20 anos.

O evento também marcou a troca da presidência rotativa do Codesul, que em 2021 estava sendo liderado pelo Paraná. Os governadores assinaram o termo de posse que passou a cadeira da presidência do governador Ratinho Junior ao catarinense Carlos Moisés, que será titular durante o ano de 2022.

A elaboração de um plano de desenvolvimento integrado, nomeado Codesul/BRDE – Visão Regional 2040, foi anunciada em junho deste ano, em uma reunião do Codesul realizada em Porto Alegre. O objetivo é criar um diagnóstico regional que identifique as agendas que cada governo deve promover para melhorar a qualidade de vida e potencializar o desenvolvimento econômico dos quatro estados.

Agora, está sendo definida a contratação da instituição que vai elaborar o plano, incluindo as metas e os indicadores que cada gestor deve acompanhar para construir a visão de um futuro regional para os próximos 20 anos. “A proposta é identificar, em cada um de nossos governos, as agendas que devemos promover para melhorar a qualidade de vida e potencializar o desenvolvimento econômico e social dos nossos estados até o ano de 2040”, explicou Ratinho Junior.

“Por muito tempo, o Brasil não pensou em um planejamento a longo prazo. Mas entendemos que essa cultura é diferente na nossa região, que tem uma vocação para planejar o futuro a médio e longo prazo”, ressaltou o governador. “Os quatro estados que formam o Codesul estão entre os mais desenvolvidos do País e se destacam na produção agrícola e industrial. Com essa visão estratégica para as próximas duas décadas, temos todas condições de tornar o grande polo econômico da América do Sul”.

O plano se estrutura em quatro pilares: uso intensivo de dados públicos, análise dos planos governamentais de médio e longo prazos, mobilização de especialistas regionais para aprofundamento de focos de ação prioritários e atuação articulada entre equipes do Codesul e Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE).

O governador de Santa Catarina destacou que as políticas desenvolvidas em cada estado podem ser integradas para potencializar o desenvolvimento da região de forma conjunta. “Queremos, de forma exemplar, colher as boas práticas de cada estado, potencializá-las e mostrar que é possível termos um ambiente sustentável com desenvolvimento”, disse Carlos Moisés.

“Os encontros do Codesul são sempre uma oportunidade de nos integrarmos e de alinharmos nossos objetivos”, salientou o governador Eduardo Leite. “Estamos aguardando o momento em que será assinado o contrato com a consultoria que nos ajudará a construir nosso plano de ação em comum para os próximos anos, até 2040”.

NOVA FERROESTE – Além disso, o planejamento estratégico e a integração da região também passam pela infraestrutura e pela logística. Durante a reunião, o Paraná apresentou aos Estados o projeto da Nova Ferroeste, linha férrea que vai ligar Maracaju, no Mato Grosso do Sul, a Paranaguá, no Litoral paranaense.

O projeto amplia e moderniza o trecho já existente entre Cascavel e Guarapuava e cria novos ramais até Paranaguá, o Mato Grosso do Sul e Foz do Iguaçu, com a possibilidade também com uma ligação até Chapecó, em Santa Catarina. Com 1.304 quilômetros de extensão, a ferrovia vai permitir escoar carga do Paraguai e da Argentina pelo Porto de Paranaguá.

Para o governador Reinaldo Azambuja, a Nova Ferroeste seria uma ferrovia de integração nacional e transoceânica, podendo fazer a ligação entre o Atlântico e o Pacífico. “A logística precisa ser pensada como uma integração entre as regiões. Maracaju é justamente o ponto de conexão com a Malha Oeste, que se conecta com a Malha Paulista e com a ferrovia Transmericana, que atravessa a Bolívia e se conecta aos portos chilenos e, no futuro, ao Peru”, explicou.

O investimento na Nova Ferroeste é estimado em R$ 29,4 bilhões. O vencedor do leilão na Bolsa de Valores de São Paulo (B3), programado para o segundo trimestre de 2022, vai executar a obra e explorar o empreendimento por 70 anos. A apresentação foi realizada por Luiz Fagundes, coordenador do plano ferroviário do Paraná.

CODESUL – Criado em 1961, o Codesul integrava, primeiramente, os estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em 1992, o Mato Grosso do Sul passou a integrar o grupo. O principal objetivo do órgão é buscar alternativas aos desequilíbrios regionais e potencializar questões comuns aos estados-membros, sobretudo em questões essenciais como desenvolvimento econômico e social, além de fomentar a integração dos estados-membros com o Mercosul.

Da AEN