Maringá quer se tornar uma das cidades mais inteligentes do país

Investir em tecnologia significa melhorar a vida do cidadão e aumentar a arrecadação do município. É o que destacou o prefeito de Maringá, Ulisses Maia, em entrevista ao RCD Cidades, conduzido pelo diretor da Rede Cidade Digital (RCD), José Marinho. “Neste momento em que atravessamos uma pandemia, as Prefeituras do país terão desafios bem maiores a partir de janeiro de 2021 quando se inicia um novo mandato nas administrações públicas e, não tenho dúvidas, a tecnologia será essencial. O objetivo do RCD Cidades é trazer informações para transformar cada localidade no melhor lugar do mundo para se viver”, explicou o diretor da RCD, José Marinho.

Para o prefeito Ulisses Maia, colocar a inovação como grande pilar da administração pública é o que faz de Maringá atualmente referência para diversos municípios do país. “Criamos a diretoria de Inovação, fizemos a Lei de Inovação, apresentada pelo setor (iniciativa privada, entidades e academia), que prevê vários incentivos tecnológicos. Podemos chegar até 2 milhões de renúncia fiscal do ISS desde que as empresas invistam esse valor em projetos tecnológicos para elas e para outras empresas”, observa Maia.

O edital de inovação lançado pela Prefeitura de Maringá também incentiva o desenvolvimento de soluções para as demandas do município. Segundo o prefeito, neste ano foram 58 projetos apresentados por startups para atender as necessidades das secretarias municipais. “Temos um trabalho referência do bem estar animal em Maringá e só nesse mandato vamos fechar com praticamente 20 mil castrações feitas. Então veio a solução através do aplicativo chamado PETS”, conta o prefeito sobre a ferramenta que gerencia os atendimentos gratuitos feitos na cidade.

Na avaliação de Maia, a sinergia entre poder público e iniciativa privada foi fundamental para tornar Maringá atualmente um dos principais polos tecnológicos e reconhecidamente umas das cidades mais inovadoras do país. “Essa interação evidentemente com o apoio das nossas academias, Sebrae e de várias outras instituições foi consolidando. No ano passado o setor de TI de Maringá, basicamente na produção de software, faturou 1, 2 bilhão. Ter um polo de tecnologia na cidade só traz benefícios”, destacou. “Isso é a grande diferença dos municípios que têm que fazer investimentos em tecnologia”, acrescentou o prefeito.

CIDADE INTELIGENTE – A meta para os próximos quatro anos é transformar Maringá em uma das cidades mais inteligentes do Brasil, de acordo com o prefeito reeleito. “Essa é a nossa meta e vamos transformar isso. Já implementamos várias medidas de cidade inteligente na estrutura da Prefeitura que tem feito com que a vida das pessoas fosse muito mais facilitada, o serviço público ser efetivado com muito mais rapidez e o mais importante, acima de tudo, com muito mais economia. Qualquer mexida em tecnologia na Prefeitura se provoca um efeito dominó de economia”, citou o prefeito sobre agilidade na tramitação de processos, fim dos deslocamentos e uso de papel, por exemplo. “Já estamos no processo. Nós vamos ter o SEI, sistema eletrônico de informação que já está implementado, uma conquista junto à Justiça Federal que foi a primeira instituição a zerar o papel”, observa.

Conforme ressalta o prefeito, a cidade inteligente contempla a inovação e tecnologia nos serviços oferecidos ao cidadão. “Daqui uns 20 dias vamos começar a disponibilizar totens de autosserviço que vamos espalhar pela cidade toda. É infinita a possibilidade de trazer serviços através da cidade inteligente”, finalizou o prefeito.

Da Redação