Prova do Concurso da Polícia Civil é cancelada

Os candidatos a vagas para delegados, investigadores e papiloscopistas da Polícia Civil do Paraná foram surpreendidos com o cancelamento da prova na madrugada deste domingo (21), dia em que a prova aconteceria em 350 locais de Curitiba e Região Metropolitana e outras 19 cidades do Estado.

O anúncio feito as 5h42 pelo Núcleo de Concursos da Universidade Federal do Paraná alega não haver requisitos básicos de segurança contra o Covid-19 nos locais da prova. ” Considerando que, na última checagem realizada na madrugada de 21 de fevereiro de 2021 em observância ao seu protocolo de integridade, o Núcleo de Concursos da UFPR denotou a ausência de requisitos indispensáveis de SEGURANÇA” anuncia o NC-UFPR.

Leia documento na íntegra –

Segundo Not Pública emitida nesta manhã pela Polícia Civil do Paraná, a instituição também foi surpreendida com a decisão. “A Polícia Civil do Paraná (PCPR) informa que, assim coo os candidatos, também foi surpreendida, na madrugada deste domingo (21), acerca da decisão tomada pelo Núcleo de Concurso da Universidade Federal do Paraná (NC-UFPR) de suspender a aplicação das provas agendadas para esta data.”

O documento afirma que encaminhou um ofício para o Núcleo solicitando que o mesmo justifique-se, tendo em vista que o mesmo confirmou a viabilidade de aplicação da prova. “A PCPR informa, ainda, que imediatamente encaminhou ofício ao NC-UFPR requisitando os motivos ensejadores da medida adotada pela Banca contratada, pois, até então, era reportado por esta sobre a plena viabilidade de aplicação dessas provas.”

Leia Nota Pública da Polícia Civil do Paraná na íntegra

HISTÓRICO – Este não foi o primeiro episódio de cancelamento do Concurso que estava inicialmente previsto para 26 de julho. Em junho do ano passado, a prova foi adiada devido a segurança relacionada ao novo coronavírus e a prova só foi remarcada diante a elaboração de um plano de biossegurança realizado pela Universidade Federal do Paraná.

JUSTIÇA – O Ministério Público do Paraná (MP-PR) e a Defensoria Pública do Estado (DPE-PR) pediram na justiça o adiamento da prova que foi negada no sábado (20) mantendo assim o acontecimento do concurso que está composto por 400 vagas e cerca de 105 mil inscritos.

Da Redação