Universidades estaduais são contempladas com o Selo Sesi ODS

A Universidade Estadual de Londrina (UEL), a Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) e a Universidade Estadual do Paraná (Unespar) conquistaram o Selo Sesi ODS 2020. Em sua 5ª edição, a certificação avaliou boas práticas organizacionais de combate ao novo coronavírus e de prevenção da Covid-19, assim como projetos para o período pós-pandemia.

Instituída pelo Serviço Social da Indústria (Sesi), a iniciativa contemplou ações alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2015. Neste ano, participaram organizações institucionais e empresariais, públicas e privadas, incluindo instituições de ensino e organizações da sociedade civil.

“Esse reconhecimento demonstra o compromisso das universidades estaduais com questões fundamentais para a saúde e a qualidade de vida das pessoas, principalmente nesse período de pandemia que assola o mundo”, afirma Luis Paulo Gomes Mascarenhas, coordenador da Divisão de Relações Internacionais da Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná.

Segundo ele, as unidades laboratoriais das instituições de ensino superior paranaenses vêm desempenhando papel de destaque nas práticas clínicas em virologia, desde o início desse cenário epidemiológico. “Certamente, esse novo contexto evidenciou as atividades desenvolvidas nas comunidades universitária e científica, com foco na promoção do bem-estar e na integridade das pessoas”, ressalta.

UEL – O projeto “UEL pela vida contra o coronavírus” proporcionou assistência para idosos e produção de máscaras de baixo custo para a população londrinense. Essa ação também viabilizou a habilitação do Laboratório de Análises Clínicas do Hospital Universitário da UEL, no Sistema Estadual de Laboratórios de Saúde Pública do Paraná (Seslab-PR), para a testagem do novo coronavírus. A estrutura tem capacidade para 200 exames por dia.

Para a diretora de Avaliação Institucional da UEL, professora Elisa Tanaka Carloto, a comunidade universitária desempenha uma função estratégica na transformação social, principalmente em situações de emergência em saúde. “Esse selo comprova o papel da universidade e o retorno dos investimentos públicos na formação de profissionais competentes e habilitados para atender a sociedade”, afirma.

Em relação ao período pós-pandemia, outro projeto da UEL reconhecido com o Selo Sesi ODS 2020 consiste em uma pesquisa que aborda a estrutura produtiva do Paraná e a identificação de setores estratégicos para a recuperação econômica.

A pesquisa foi empreendida pelo professor Umberto Antônio Sesso Filho, do Centro de Estudos Sociais Aplicados da UEL, em parceria com o professor Paulo Rogério Alves Brene, da Universidade Estadual do Norte do Paraná (Uenp), com o apoio de pesquisadores de outras instituições de ensino superior.

UNIOESTE – No Campus de Foz do Iguaçu, a Unioeste implantou um projeto de extensão, cujas atividades consistem na abordagem diária de todas as pessoas que frequentam o ambiente universitário, com a finalidade de avaliar sintomas relacionados ao novo coronavírus. O trabalho envolve aferição de temperatura corporal, fornecimento de máscaras e álcool 70%, além de orientações sobre medidas preventivas.

“Evitamos surtos da doença na comunidade universitária e levamos informações para as comunidades interna e externa, contribuindo assim com alguns ODS, como saúde e bem-estar e educação de qualidade”, destaca a enfermeira Ana Paula Contiero, coordenadora do projeto, acrescentando que o projeto está em vigor desde agosto, quando parte das atividades presenciais foram retomadas.

Caso seja identificado qualquer sintoma da doença, a equipe aciona o serviço de saúde e o atendimento médico. Se confirmado o diagnóstico, todas as pessoas que tiveram contato com o paciente passam a ser monitorados, como forma de conter a disseminação da doença. Também são realizados testes rápidos em estudantes, estagiários, professores e agentes universitários.

UNESPAR  – No Litoral, a Unespar desenvolve o programa Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), com turmas nas cidades de Paranaguá e Pontal do Paraná. Por se tratar de grupo de risco, as atividades presenciais foram interrompidas em março para assegurar o isolamento social, recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo o diretor do Centro de Ciências Sociais Aplicadas do Campus de Paranaguá, professor Sebastião Cavalcanti Neto, o desafio subsidiou um projeto interdisciplinar de estudo, com a utilização de ferramentas de Tecnologia de Comunicação e Informação (TIC).

Reunindo cerca de 60 participantes, o projeto trabalha um ODS por mês, com o apoio de profissionais especializados, que apresentam as metas propostas, de acordo com a respectiva área. Na conclusão de cada módulo, os idosos sugerem ações práticas para atender aquele ODS.

ODS – Sistematizados pela Organização das Nações Unidas (ONU), os ODS reúnem 17 metas, no âmbito da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. Esse plano de ação global foi adotado no ano de 2015 por 193 países membros da ONU, com a finalidade de eliminar a pobreza extrema e a fome, oferecer educação de qualidade para todas as pessoas, proteger o planeta e promover sociedades pacíficas e inclusivas.

Da AEN