Biden diz que buscará ‘acabar com as guerras eternas’ dos EUA

O democrata Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos, afirmou nesta quarta-feira, 9, que buscará “acabar com as guerras eternas” do país e fazer com que o uso da força sempre seja “a última ferramenta”, ao opinar que o Pentágono deve se concentrar mais nos “objetivos do futuro”

Biden se pronunciou ao apresentar formalmente o nome que escolheu para chefiar o Pentágono, o general reformado Lloyd Austin, que, se confirmado pelo Senado, se tornará o primeiro secretário de Defesa negro da história do país.

“Temos de acabar com as guerras eternas e garantir que o uso da força seja a última ferramenta à qual podemos recorrer”, disse Biden durante ato na cidade de Wilmington, no Estado do Delaware.

O democrata não se referiu explicitamente à Guerra no Afeganistão, a mais longa da história dos Estados Unidos, nem às outras missões dos EUA em países como Somália, Síria e Iraque.

O atual presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a retirada das tropas americanas de todos esses países, com a intenção de deixar apenas 2,5 mil soldados no Afeganistão ao deixar o poder em janeiro, o mesmo número de soldados que permanecerão no Iraque.

Durante o evento, tanto Biden como Austin citaram a “reconstrução” das alianças tradicionais dos EUA como prioridade e mencionaram Europa, Ásia e Pacífico.

“Acho que os Estados Unidos são mais fortes quando trabalham com seus aliados. Se eu for confirmado (pelo Senado), assumirei esse importante trabalho”, prometeu Austin.

Entre 2013 e 2016, o general de quatro estrelas foi chefe do Comando Central, encarregado das operações em Iraque, Afeganistão, Iêmen e Síria, na maioria dos países onde os EUA estão ou estiveram em guerra.

Entretanto, Austin enfrenta um obstáculo para entrar no gabinete de Biden: ele só está fora das Forças Armadas há quatro anos, e a lei dos EUA exige que pelo menos sete anos tenham se passado antes que o militar aposentado possa assumir posições no governo.

Biden pediu que o Congresso conceda uma exceção a Austin, que terá de ser votada na Câmara dos Deputados e no Senado e foi concedida pela última vez ao primeiro secretário de Defesa de Trump em 2017, James Mattis. “Eu não pediria esta exceção se não achasse que este momento da história a exigisse”, disse Biden.

Gabinete de ‘primeiros’

O democrata prometeu nomear um Gabinete que reflita a diversidade da América e seus indicados até agora incluíram vários “primeiros”, incluindo Janet Yellen, que seria a primeira secretária do Tesouro do país, e Alejandro Mayorkas, que seria o primeiro imigrante a dirigir o Departamento de Segurança Interna.

“Eu chego a este novo papel como líder civil – com experiência militar, com certeza – mas também com um profundo apreço e reverência pela sabedoria prevalecente do controle civil de nossos militares”, disse Austin, nesta quarta-feira.

Um homem intensamente reservado, Austin evitou os holofotes durante uma distinta carreira de quatro décadas em uniforme. Sua nomeação ocorre após um ano de avaliação nos EUA sobre o racismo sistêmico e a injustiça após uma série de assassinatos de negros americanos pela polícia, e muitos clamam por uma maior diversidade na liderança das Forças Armadas, cujo primeiro escalão tem sido predominantemente branco. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)