Decisão em plataforma do M5S para apoio a Draghi pode atrasar formação de governo

A formação de governo de Mario Draghi na Itália deve sofrer um atraso por conta do maior partido no Parlamento. O Movimento Cinco Estrelas (M5S, na sigla em italiano) postergou a votação em sua plataforma online, Rousseau, da qual sairá a decisão sobre a sigla apoiar ou não Draghi como primeiro-ministro. Em vídeo publicado em seu blog hoje, o fundador do M5S, Beppe Grillo, afirmou que o ex-presidente do Banco Central Europeu (BCE) tem apoio e qualidades, mas que “vamos esperar a decisão no Rousseau. Temos de ter paciência”.

De acordo com o Corriere della Serra, o final do processo interno pode levar a decisão a ficar para o sábado, sem uma data certa ainda para ser realizado. De acordo com o jornal, no entanto, o mais provável é que a votação, marcada inicialmente para começar nesta quarta-feira, 10, fique para a sexta-feira, 12.

Uma das demandas de Grillo é a criação de um ministério para transição ecológica sustentável, como foi feito “na França, na Espanha e na China”, algo que teve apoio de Draghi, segundo o líder, após se reunirem hoje. “Uma mudança no uso de energia, passar do petróleo para sustentáveis”, projetou Grillo, que também criticou o uso de automóveis poluentes. Outro ponto que o M5S tem como prioridade, e teria tratado com Draghi, é uma renda de cidadania, um plano antigo do partido.

O M5S é a maior sigla na atual formação parlamentar, com 190 dos 619 deputados, e pode ser uma opção relevante na formação de governo. Mais cedo, outros partidos expressaram apoio a Draghi, dentre eles o Forza Italia, quarta maior bancada, com 91 cadeiras.