Equipe da OMS em Wuhan diz que o lado chinês está cooperando com missão

Um dos investigadores da Organização Mundial de Saúde (OMS) que está em busca de pistas sobre a origem do coronavírus na cidade de Wuhan, no centro da China, disse que o lado chinês forneceu um alto nível de cooperação. Em um tweet, o zoólogo e membro da equipe Peter Daszak elogiou as reuniões de quarta-feira, 3, com funcionários do importante Instituto de Virologia de Wuhan, incluindo o vice-diretor Shi Zhengli, um virologista que trabalhou com Daszak para rastrear as origens da SARS que se originou na China e liderou o surto de 2003.

“Reunião extremamente importante hoje com a equipe da WIV, incluindo o Dr. Shi Zhengli. Discussão franca, aberta. Principais perguntas feitas e respondidas”, Daszak tuitou. A equipe permaneceu no hotel e parecia não ter visitas de campo programadas para quinta-feira.

Anteriormente, Daszak tuitou imagens da mídia fora do instituto, dizendo: “agradecendo à imprensa por sua paciência e interesse em divulgar essas notícias para o mundo. O trabalho está avançando e esperamos poder conversar sobre os resultados o mais rápido possível”.

O Instituto de Virologia de Wuhan coletou extensas amostras de vírus, levando a alegações não comprovadas de que pode ter causado o surto original vazando o vírus para a comunidade circundante. A China negou veementemente essa possibilidade e promoveu teorias não comprovadas de que o vírus pode ter se originado em outro lugar. Junto com o instituto, a equipe da OMS, que inclui especialistas de dez nações, visitou hospitais, institutos de pesquisa e um mercado tradicional ligado ao surto original.

É provável que leve anos para confirmar as origens do vírus por causa da pesquisa exaustiva, incluindo amostras de animais, análises genéticas e estudos epidemiológicos necessários para localizar o início de um surto. Uma possibilidade é que um caçador de animais selvagens possa ter passado o vírus para comerciantes que o carregaram para Wuhan, mas isso ainda não foi provado.

Os primeiros surtos de covid-19 foram detectados em Wuhan no final de 2019, levando o governo a colocar a cidade de 11 milhões de habitantes sob estrito bloqueio por 76 dias. Desde então, a China relatou mais de 89 mil casos e 4,6 mil mortes, com novos casos amplamente concentrados em seu nordeste e bloqueios locais e restrições de viagens sendo impostos para conter os surtos.

Os novos casos de transmissão local caíram agora, com os chineses atendendo aos apelos do governo para cancelar as visitas familiares e permanecer em casa durante o feriado do Ano Novo Lunar no final deste mês.