EUA ampliam a 59 lista de empresas chinesas proibidas de receberem investimentos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou nesta quinta-feira, 3, um decreto que amplia a 59 a lista de empresas chinesas proibidas de receberem investimentos americanos, em meio à escalada das tensões entre as duas maiores economias do planeta.

A nova norma impede que os americanos invistam nessas empresas, com um período de carência de 60 dias, até 2 de agosto, antes do início das sanções, e um período de um ano para os americanos já investidos nas empresas – seja diretamente ou via fundos – para se desinvestir.

Entre as companhias na lista estão Huwaei, SMIC e China Mobile.