EUA: especialista alerta para nova onda de falências no 2º semestre de 2021

Os indicadores econômicos estão apontando para uma segunda onda de falências para empresas de todos os tamanhos, bem como famílias, provavelmente no segundo semestre do próximo ano, alerta o professor e especialista no tema Ed Altman, da Universidade de Nova York.

O principal entre esses indicadores é a proporção da dívida corporativa não financeira em relação ao Produto Interno Bruto, que atingiu um pico de quase 57% no primeiro semestre de 2020, disse Altman na quarta-feira em um webinar organizado pela Fixed Income Analysts Society.

Entre 1985 e janeiro de 2020, essa proporção nunca passou de 47%, de acordo com dados apresentados por Altman. “Todas as vezes que tivemos um pico na proporção da dívida corporativa não financeira em relação ao PIB, também tivemos um aumento nas taxas de inadimplência em 12 meses para os níveis de crise”, disse ele.

As taxas de inadimplência das empresas seguiram esse padrão nas últimas quatro recessões, incluindo aquelas que ocorreram em 2008-2009 e 2000-2001. As taxas de inadimplência em nível de crise estão em torno de 8% a 10% ou mais, de acordo com Altman, conhecido por inventar o chamado Z-score, uma fórmula matemática usada para prever falências corporativas.

Altman previu que as taxas de inadimplência para empresas não financeiras chegarão a 7,5% até o final de 2021, ante menos de 6% atualmente. Isso compara com 2,7% ao final de 2019 e a média histórica da inadimplência corporativa de 3,3%.

Apesar disso, menos empresas importantes estão inadimplentes com suas dívidas do que os investidores temiam no início da pandemia, quando os bancos guardaram dezenas de bilhões de dólares para se preparar para uma onda esperada de perdas com empréstimos. “É verdade que a taxa de falências diminuiu nos últimos meses. O principal motivo são os níveis de apoio sem precedentes do Fed e do governo”, disse ele.

O número de pedidos de falência de grandes empresas, com passivos de mais de US$ 100 milhões, ainda é maior do que em anos recordes anteriores. Até o momento, este ano já soma 168, superando o total de 153 em 2009.

A dívida se tornou cada vez mais importantes para empresas, governos e famílias nas últimas duas décadas. A dívida de empresas não financeiras mais do que triplicou, passando de US$ 22 trilhões em 1997 para mais de US $ 70 trilhões.

O Fed e o Congresso intervieram de maneiras sem precedentes para estimular os mercados financeiros, bem como enviando ajuda direta a empresas e indivíduos. Isso levou as empresas a tomarem ainda mais empréstimos nos mercados de empréstimos e títulos.

A emissão de títulos com grau de investimento e alto rendimento quebrou recordes neste ano. As empresas com grau de investimento emitiram 72% mais dívida em 2020 do que no ano passado. “Quando foi a última vez que houve uma crise financeira quando o ambiente estava com risco, e não sem risco? Nunca. Isso significa que os investidores estão dispostos a financiar empresas com grau de investimento e outras com grau de não investimento, principalmente devido ao suporte do governo”, disse Altman.

O apoio do governo pode não durar muito além da metade do próximo ano, disse ele.

O Departamento do Tesouro dos EUA no mês passado decidiu encerrar, no fim do ano, o apoio ao programa do Federal Reserve para comprar dívidas corporativas – a principal intervenção que alimentou uma recuperação massiva nos mercados financeiros após a pandemia.

E o Departamento do Tesouro, sob o comando do presidente eleito Joe Biden, pode não ter o apoio do Congresso necessário para reviver o programa, explicou Altman em entrevista ao The Wall Street Journal na quinta-feira.

Existem alguns dados alarmantes que apontam para dias difíceis pela frente para as empresas que carregam consigo um grande endividamento. Desde a pandemia, mais de US$ 250 bilhões em dívidas foram rebaixadas de grau de investimento para especulativa por empresas de classificação, disse Altman. Seus modelos mostram que muito mais empresas com baixas classificações de investimento, com dívida total de mais de US $ 350 bilhões, serão rebaixadas ao status de junk no próximo ano. Fonte: Dow Jones Newswires.