EUA: líder da minoria no Senado, McConnell diz que votará para absolver Trump

O líder da minoria no Senado dos EUA Mitch McConnell disse em uma carta aos republicanos que votará para absolver o ex-presidente Donald Trump em seu julgamento de impeachment, de acordo com assessores do Partido Republicano.

Os democratas da Câmara e a equipe de defesa de Trump estão se preparando para os argumentos finais neste sábado sob as acusações de que ele incitou a revolta do mês passado no Capitólio, no que se espera que sejam comentários abreviados antes de uma votação sobre a condenação do ex-presidente.

McConnell criticou duramente as ações do presidente em 6 de janeiro, dizendo que os desordeiros “foram provocados pelo presidente e outras pessoas poderosas”.

Os democratas, liderados pelo deputado Jamie Raskin, de Maryland, e os advogados de Trump terão, cada um, duas horas para encerrar seus casos. A equipe de defesa disse que planeja usar apenas metade do seu tempo.

Muitos senadores republicanos e democratas sentados como jurados disseram que em grande parte já se decidiram, essencialmente garantindo a absolvição de Trump em seu segundo julgamento de impeachment e no quarto julgamento de impeachment presidencial na história americana. Em uma votação na terça-feira sobre a constitucionalidade de julgar um ex-presidente por acusações de impeachment, apenas seis republicanos apoiaram os 50 democratas da Câmara. Seriam necessários 67 votos para condenar Trump.

Sem dúvidas sobre o resultado, a questão será quantos republicanos se juntam aos democratas na votação para condenar. Grande parte do foco estava no senador Bill Cassidy (Louisiana), que na sexta-feira foi fotografado estudando notas que diziam que “os administradores da Câmara não ligaram os pontos” entre o discurso de Trump em 6 de janeiro e o ataque de seus apoiadores no Capitólio, resultando na morte de cinco pessoas, incluindo um policial do Capitólio. Mais tarde, Cassidy disse que foi um dos dois comunicados à imprensa que sua equipe preparou – um para cada posição – e que ele ainda não se decidiu.

Também estava em questão se algum dos lados tentaria intimar testemunhas ou fornecer novas evidências. Senadores de ambos os partidos disseram que não precisam ouvir de testemunhas, o que exigiria longos depoimentos, prolongando um julgamento que tanto republicanos quanto democratas disseram querer encerrar.

Na sexta-feira passada, o deputado Jaime Herrera Beutler (Washington), um dos 10 republicanos da Câmara que votaram pelo impeachment de Trump, pediu aos funcionários do governo Trump que se apresentassem para descrever o estado de espírito do então presidente em 6 de janeiro, afirmando que eram testemunhas de seu humor.

Fonte: Dow Jones Newswires.