EUA somam mais 174 mil casos, e Califórnia adota novas restrições

Os Estados Unidos registraram hoje mais 174.387 casos de covid-19, segundo informou o Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês) do país, que ainda confirmou mais 1.118 óbitos causados pela doença. Embora menor que os números do fim de semana, esta segunda-feira retomou o nível de infecções da semana passada, quando pelo menos 160 mil casos por dia foram registrados. Nos últimos 7 dias, segundo mostra o CDC, foram 1,34 milhão de diagnósticos adicionais nos EUA, que se somaram ao total de 14,6 milhões. O órgão norte-americano contabiliza ainda 281.253 óbitos.

Na Califórnia, Estado norte-americano líder de infecções, entraram em vigor novas medidas restritivas para conter a disseminação local do vírus. Regiões com menos de 15% da capacidade de UTIs liberada terão reuniões privadas de qualquer tamanho proibidas, todas as atividades suspensas (com exceção para a infraestrutura e varejo essenciais) e o uso de máscara e distanciamento físico obrigatórios. Assim que as medidas entrarem em vigor, ela irá durar ao menos 3 semanas e serão suspensas apenas se os hospitais das regiões afetadas atingirem o nível mínimo de 15% dos leitos de UTI vagos, informou o governo californiano.

Já em Nova York, o governador Andrew Cuomo também demonstrou preocupação com a ocupação de leitos de UTI local. Segundo informaram veículos da imprensa norte-americana e agências de notícias, Cuomo disse que irá suspender o serviço interno de restaurantes na cidade de Nova York e limitar a 25% da capacidade total em outros municípios do Estado, caso a ocupação de leitos em NY continue crescendo. Ele ainda cogitou a suspensão das atividades não essenciais para evitar o mesmo cenário do primeiro semestre, quando NY foi o epicentro da pandemia nos EUA. Ele afirmou, porém, que a situação atual de não requer uma medida tão drástica.