Hungria tem recorde de novos casos diários de covid; Itália reporta mais 26 mil

A Hungria registrou neste sábado o recorde de 9.444 novos casos diários de covid-19, um salto de 1 mil infecções na comparação com a sexta-feira, quando o número já havia sido recorde. O aumento é atribuído à maior velocidade de propagação do vírus por uma variante descoberta no Reino Unido, responsável por elevar o número de pessoas hospitalizadas para o recorde de 8.897. A quantidade total de mortes relacionadas à doença subiu para 16.790.

Na comparação com o resto da Europa, a Hungria tem a segunda maior taxa de vacinação, com o uso de vacinas adquiridas da Rússia, da China e da própria União Europeia. De acordo com as autoridades, o plano é vacinar todas as pessoas com mais de 60 anos até a Páscoa. Por enquanto, quase 1,3 milhão de pessoas tomaram pelo menos uma dose de uma das vacinas na Hungria.

Na Itália, o número diário de novos casos de infecções pela doença aumentou para mais de 20 mil nos últimos dias. Neste sábado, o Ministério da Saúde do país relatou novos 26.062 casos. Com isso, o país soma mais de 3,2 milhões de infecções desde o início da pandemia. Em relação ao número de mortes, a Itália fica atrás apenas da Grã-Bretanha, como o segundo país com mais vítimas fatais na Europa, um total de 101.881.

Mais cedo, o escritório do primeiro-ministro, Mario Draghi, anunciou mais metas do programa nacional de vacinação, afirmando que o governo pretende vacinar 80% da população até o final de setembro. Até o momento, cerca de 3% dos italianos foram vacinados. A vacinação no país só começou a avançar recentemente, após uma série de atrasos nas entregas e outros gargalos logísticos.

A partir de segunda-feira, restrições mais duras serão implementadas em grande parte do país, incluindo a região de Roma, para reduzir a circulação de pessoas, informou o governo.