Ministros da Coreia do Sul e da China se reúnem para tratar de questão nuclear

O recém-nomeado ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, e seu homólogo chinês, Wang Yi, se encontraram neste sábado na cidade de Xiamen, próxima à ilha autônoma de Taiwan, no sul da China. Seul busca melhorar os laços com seu principal parceiro comercial, embora as relações entre os Estados Unidos, maior aliado de segurança dos sul-coreanos, e a China continuem tensas. No início da semana, Wang se encontrou com representantes da Cingapura, Malásia, Indonésia e Filipinas.

Antes da viagem à China, Eui-yong disse a repórteres que esperava que a Coreia do Norte fosse uma questão-chave nas negociações com Wang Yi. Em sua declaração de abertura, Wang disse que a China e a Coreia do Sul “buscarão um processo para uma resolução política da questão da Península Coreana”, como parte da busca por políticas de paz permanente, em meio ao impasse nuclear da Coreia do Norte com os EUA.

Chung afirmou que tanto a China quanto a Coreia do Sul compartilham o objetivo de “desnuclearização completa” da Península Coreana. Segundo ele, a Coreia do Sul pediu à China “para continuar desempenhando um papel construtivo na gestão da situação na Península Coreana e alcançar um progresso substancial no processo de paz da região”.

Em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul informou que os diplomatas também concordaram em pressionar por uma visita do presidente chinês Xi Jinping à Coreia do Sul assim que a pandemia de covid-19 estiver estabilizada. Eles reconheceram a necessidade de uma cooperação trilateral com o Japão enquanto pressionam por uma cúpula trilateral entre os países.

O jornal sul-coreano JoongAng Ilbo especulou que a decisão da China de hospedar Chung em uma cidade próxima a Taiwan teria o objetivo de sinalizar aos EUA posição contrária à tentativa de Washington de liderar uma coalizão anti-China. O governo do presidente Joe Biden intensificou os esforços de cooperação com os aliados Coreia do Sul e Japão, com foco na influência crescente da China e na ameaça nuclear norte-coreana.

Na sexta-feira, o conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, recebeu seus colegas sul-coreanos e japoneses na Academia Naval dos EUA em Annapolis, Maryland, para discutir a parceria tríplice dos países e políticas de Washington sobre a Coreia do Norte.

Os EUA e a China estão em desacordo sobre uma série de questões, incluindo comércio e direitos humanos no Tibete, Hong Kong e na região ocidental de Xinjiang da China, situação de Taiwan, assertividade da China no Mar do Sul e a pandemia do coronavírus. A China também foi acusada de frouxo cumprimento das sanções da ONU para frear o programa nuclear da Coreia do Norte. Fonte: Associated Press.