Noruega levanta preocupação sobre vacina contra a covid-19 para os mais idosos

Autoridades norueguesas atualizaram suas recomendações sobre quem deve receber a vacina contra a covid-19 devido a um pequeno número de mortes entre os idosos. No país, a partir de agora, cabe a cada médico decidir quem deve ser vacinado.

A Agência Norueguesa de Medicamentos informou na última quinta-feira, 14, que um total de 29 pessoas sofreram efeitos colaterais, 13 deles fatais. Todas as mortes ocorreram entre pacientes que viviam em lares de idosos e todos tinham mais de 80 anos.

A agência listou febre e náusea como efeitos colaterais que “podem ter levado às mortes desses pacientes já fragilizados”, disse Sigurd Hortemo da agência norueguesa de medicina. De acordo com dados oficiais, mais de 30 mil pessoas receberam a primeira dose das vacinas da Pfizer ou Moderna no país escandinavo desde o final de dezembro.

“Não estamos alarmados com isso. É bastante claro que essas vacinas têm muito pouco risco, com uma pequena exceção para os pacientes mais frágeis, ” disse Steinar Madsen, diretor médico da agência. “Os médicos devem agora considerar cuidadosamente quem deve ser vacinado. Aqueles que são muito frágeis ou têm uma idade muito avançada podem ser vacinados após uma minuciosa avaliação” acrescentou.

No início desta semana, o Instituto Norueguês de Saúde Pública disse que “qualquer um dos, eventuais, efeitos colaterais da vacina serão compensados por um risco reduzido de ser contaminado pela forma mais grave da Covid-19”.

Madsen acrescentou que “para pacientes muito frágeis e pacientes terminais, é necessário avaliar o cuidadoso equilíbrio entre os benefícios e as desvantagens da vacinação. “

Em seu relatório, a Agência Norueguesa de Medicamentos disse que 21 mulheres e oito homens tiveram efeitos colaterais. Além dos que morreram, a agência disse que nove tiveram sérios efeitos colaterais, mas sem uma consequência fatal. Outros sete tiveram efeitos colaterais menos graves.

Os nove pacientes que sentiram efeitos colaterais mais sérios tiveram reações alérgicas, forte desconforto e febre intensa; enquanto os efeitos colaterais menos graves incluíram dor forte no local da injeção.

Em todo o mundo, as autoridades esperam que as mortes e outros efeitos colaterais graves sejam relatados após o início das campanhas de vacinação em massa, dado o grande número de pessoas envolvidas. Mas determinar se a vacina causou ou não mortes pode ser muito desafiador e requer que todas as outras causas potenciais sejam descartadas primeiro.

O Reino Unido e os Estados Unidos também relataram casos de efeitos colaterais que tiveram consequências fatais. A Agência Europeia de Medicamentos disse na última sexta-feira, 15, que receberá e considerará relatórios mensais de segurança de empresas autorizadas a vender vacinas, começando em Janeiro com a Pfizer.