Trump afirma que leis dos swing states são anteriores às ‘fraudes eleitorais’

Prestes a deixar o poder, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a utilizar suas redes sociais para questionar os resultados da eleição presidencial vencida por Joe Biden, em novembro.

Desta vez, ele alegou, em sua conta no Twitter, que as leis eleitorais dos chamados “swing states”, decisivos para a eleição presidencial, foram elaboradas por juízes e políticos locais em vez de terem sido feitas pelas legislaturas, e, portanto, “antes de se chegar às irregularidades e fraudes, inconstitucionais”. A mensagem de Trump foi marcada com o selo “esta alegação de fraude eleitoral é contestada”.

Trump também voltou a falar que o número de votos nestes Estados é muito grande e totalmente determinante para o resultado eleitoral. “Apenas os democratas e alguns Rino’s ousariam contestar isso – mesmo sabendo que é verdade”, disse.

Rino é a sigla para Republican In Name Only (ou Republicanos só de nome, em tradução livre), expressão usada pela ala radical do partido para atacar o grupo mais ao centro político – nesta eleição, apoiadores de Trump a utilizam para se referirem àqueles que se opõem às contestações judiciais do resultado eleitoral.