Turquia convoca embaixador italiano após Draghi chamar Erdogan de ditador

A Turquia convocou o embaixador da Itália em Ancara para consultas após comentários do primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, que chamou o presidente do país, Recep Taypp Erdogan, de “ditador” nesta quinta-feira, 8, em uma coletiva de imprensa. A notícia foi confirmada pela agência estatal turca Anadolu.

“Condenamos veementemente a retórica populista inaceitável do primeiro-ministro italiano e suas declarações feias e irracionais sobre nosso presidente eleito”, afirmou pelo Twitter o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlüt Çavusoglu.

A crise diplomática ocorreu após uma reunião entre os representantes da União Europeia e Erdogan em Ancara. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, não teve um lugar designado igual ao presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o que despertou uma série de críticas sobre o tratamento dispensado na ocasião.

“Não foi um comportamento adequado, foi uma humilhação”, afirmou Draghi. Segundo o italiano, a distinção de gênero realizada na ocasião “não colabora com as visões de comportamento da sociedade”. O primeiro-ministro afirmou que há “ditadores com os quais temos que colaborar, mas há de se estar pronto para defender os interesses do seu país. Precisamos achar o equilíbrio correto”.

Nas últimas semanas, Erdogan já havia sofrido críticas na Europa por conta da decisão de se retirar da Convenção de Istambul, que abrange o combate à violência contra as mulheres.