Vitória de dissidentes para conselho da Exxon Mobil levanta questões climáticas

Investidores ativistas apoiados por fundos de pensões e outros que falam sobre mudanças climáticas acabam de ganhar pelo menos duas cadeiras no conselho da Exxon Mobil, de acordo com uma contagem preliminar de votos. Mas, se a empresa, que tem sido criticada por ambientalistas por anos, realmente mudará suas práticas, ainda está muito em aberto.

A votação parece ser tanto sobre o desempenho inferior da ações nos últimos anos quanto sobre clima. E os detalhes de como a Exxon poderia mudar suas políticas ambientais são tão incertos quanto antes da votação.

Pelo menos um dos candidatos eleitos para o conselho é da indústria do petróleo, e o acionistas ativistas que lideram o movimento pela mudança “Engine No. 1” não se comprometeram a decidir se a empresa deve investir em algumas das indústrias mais importantes que lutam contra as mudanças climáticas: eólica e solar. Na verdade, alguns dos acionistas envolvidos na campanha foram vagos após a votação sobre o que exatamente eles esperam mudar em termos de política ambiental na Exxon.

Engine No. 1 é a firma de investimentos ativista que liderou a questão. Mas, em seus materiais de campanha, ela evitou promover a energia eólica e solar, que outras empresas de petróleo como a BP e a Royal Dutch Shell adotaram de forma mais agressiva.

Alguns ambientalistas temem que o acréscimo de duas novas pessoas entre as 13 do conselho não force uma mudança fundamental. Ben Cushing, gerente de campanha de defesa financeira do Sierra Club, disse em um comunicado que “com Darren Woods ainda no comando da Exxon, questionamos se os novos membros do conselho serão capazes de mudar o curso rápida ou drasticamente”.

As ações da Exxon encerraram o dia com alta de 1,2%, a US$ 58,94. Embora tenham subido com outros papéis de energia este ano, caíram mais de 34% nos últimos cinco anos.