William e Harry se reencontram em inauguração de estátua que homenageia Diana

Eles já foram muito próximos um dia. Os príncipes William e Harry cresceram juntos, apoiando um ao outro depois da morte de sua mãe, a princesa Diana, e trabalharam lado a lado quando começaram a cumprir seus deveres reais – dois irmãos que pareciam unidos para toda a vida por laços de sangue, tradição e tragédia. Mas, agora, esses laços ficaram fragilizados: William tem defendido a família real britânica de acusações de racismo feitas por Harry e sua esposa, Meghan Markle, durante uma célebre entrevista com a apresentadora americana Oprah Winfrey.

Observadores reais estão atentos a qualquer sinal de trégua – ou aprofundamento das divergências – nesta quinta-feira, 1º, durante o encontro de William e Harry na inauguração de uma estátua da princesa Diana, na data em do que seria o seu 60º aniversário. O evento no Sunken Garden, no Palácio de Kensington, é o segundo encontro público dos irmãos desde que Harry e Meghan se afastaram dos deveres reais há mais de um ano.

O príncipe Charles, ex-marido de Lady Di, está na Escócia e não compareceu ao evento, que reúne um pequeno grupo de familiares e amigos. As esposas de William e Harry também ficaram de fora. Portanto, todos os olhos ficaram voltados para os dois irmãos. Analistas observam a linguagem corporal dos príncipes em busca de quaisquer sinal de aproximação ou afastamento, como aconteceu durante o funeral de seu avô, o príncipe Philip, em abril. Após o culto, eles foram vistos caminhando lado a lado enquanto conversavam.

William e Harry caminharam juntos pelo jardim do palácio e conversaram entre si e com amigos e parentes convidados ao local. Lado a lado, os príncipes retiraram o pano que cobria a estátua, revelando-a ao público presente. Os irmãos também fizeram uma declaração conjunta em que descreveram a força e o caráter de sua mãe como “qualidades que a tornaram uma força para o bem em todo o mundo”. “Todos os dias, desejamos que ela ainda estivesse conosco, e nossa esperança é que esta estátua será vista para sempre como um símbolo de sua vida e seu legado”, disseram.

Muitos observadores reais estão curiosos sobre o que o momento diz sobre o estado da família real. “William está defendendo a monarquia, e Harry está defendendo sua esposa. É uma questão de amor versus dever, com William defendendo o dever e o conceito de monarquia como ele o vê”, disse Robert Lacey, historiador e autor do livro “Battle of Brothers: William, Harry and the Inside Story of a Family in Tumult”. Ele completa: “Do ponto de vista de Harry, há o amor e a lealdade à esposa. Ele está ao lado dela. Essas são diferenças profundamente enraizadas”.

Hugo Vickers, um biógrafo da família real, disse que as chances de uma trégua entre os irmãos parece pequena no momento. “Qualquer arranjo de reconciliação que eles façam no momento, eles ainda terão que explicar às suas mulheres quando chegar em casa, não é?”, disse.

Depois do funeral do príncipe Philip, “vimos o que pareciam ser sinais de reaproximação”, continuou Vickers. Mas então “pouco depois, o príncipe Harry voltou para Los Angeles, e começou a fazer alguns comentários desagradáveis”.

A estátua

Quando os irmãos reais encomendaram a estátua, em 2017, o relacionamento entre eles era radicalmente diferente. Os dois eram vizinhos: Harry vivia em uma casa no terreno do Palácio de Kensington, e William e sua família viviam no próprio palácio. Juntos, eles promoveram instituições de caridade e, em particular, chamaram a atenção para o estigma em torno da saúde mental – algo que eles continuam a fazer, mas em diferentes plataformas e em diferentes países.

William e Harry disseram que queriam um monumento de sua mãe para “reconhecer seu impacto positivo” e esperam que “ajude todos aqueles que visitam o Palácio de Kensington a refletirem sobre sua vida e seu legado”. Esta última homenagem foi encomendada ao escultor Ian Rank-Broadley, cujo retrato da Rainha Elizabeth II aparece em todas as moedas britânicas.

Londres não carece de memoriais a Diana, ainda reverenciada como “a princesa do povo”. Há um playground no Palácio de Kensington, uma fonte no Hyde Park e uma passarela no St. James’s Palace. A coleção da National Portrait Gallery inclui mais de 50 imagens da realeza fotogênica.

A estátua foi instalada no recém-reformado Sunken Garden, um dos lugares favoritos de Diana em sua antiga casa. O palácio disse que o jardim ainda apresenta algumas das flores mais amadas de Diana, incluindo miosótis. É também onde Harry e Meghan, Duquesa de Sussex, realizaram sua sessão oficial de fotos de noivado. A partir de sexta-feira, 2, em diante, o jardim estará aberto ao público durante o horário de funcionamento do palácio.

Tem havido muito debate na Grã-Bretanha sobre que tipo de estátua prestaria uma homenagem apropriada a Diana. Alguns críticos de arte se opuseram à ideia de uma obra realista e tradicional, argumentando que isso trairia a imagem moderna de Lady Di. Os críticos feministas disseram que a comissão deveria ter ido para uma artista feminina. (Com agências internacionais).