Alunos do JAA são contratados após concluírem o programa do SENAR-PR

Na Agropecuária Ipê, de Campo Mourão, seis dos 10 alunos passaram a fazer parte do quadro de funcionários da empresa
Há mais de 10 anos, desde a sua criação em 2010, o Programa Aprendizagem de Adolescentes e Jovens (AAJ), do Sistema FAEP/SENAR-PR, forma profissionais prontos para entrar no mercado de trabalho. Com isso, os índices de contratação imediata são altos. Na empresa Agropecuária Ipê, em Campo Mourão, no Noroeste do Estado, seis dos 10 alunos da turma de 2019 foram efetivados ao término da capacitação. Neste ano, uma nova turma foi iniciada, com duração até abril de 2022. 

Voltada para a produção de grãos e sementes, bovinocultura de corte com seleção genética, produção de novilhos precoces e florestamento de pinus e eucalipto, a Agropecuária Ipê criou uma espécie de “apadrinhamento”, ou seja, profissionais são responsáveis pela orientação dos aprendizes em cada atividade prática das etapas operacionais. 

“O AAJ foi uma grande quebra de paradigma na cultura interna da empresa. Durante o programa, os meninos já estão na prática como tratorista, na oficina, no administrativo, no embarque, desembarque e carregamento. O curso traz cultura, valores, respeito, engajamento, porque não é só a técnica, mas é fazer do jeito que é necessário ser feito”, define Maísa Amaral, gerente de Recursos Humanos (RH) da Agropecuária Ipê. 

Na turma de 2021, novas estratégias foram traçadas pela empresa a partir da inclusão dos módulos de agricultura e pecuária. “A ideia é que a gente possa englobar todos os negócios da empresa no AAJ. Isso tem um efeito muito bacana, porque o aluno pode conhecer um pouco de tudo e, assim, conhecer o processo”, pontua Maísa. 

Formação na prática 

Na avaliação dos instrutores que participaram da formação da turma de 2019 na Agropecuária Ipê, o desenvolvimento dos alunos foi visível do primeiro ao último dia de programa. “A gente trabalha de modo a incentivá-los a trazerem suas questões. As atividades geram uma aproximação muito grande e, nessa turma, eles foram muito participativos e dedicados ao programa”, afirma a instrutora Marcia Aparecida Bresciani Pereira, responsável pelo módulo de gestão no AAJ. 

Segundo Rodrigo Ferrari Réus, na sua experiência como instrutor do AAJ há quatro anos, essa foi a turma que teve o maior número de contratações. “Sempre tem contratação pela empresa nas turmas que oriento. É uma oportunidade muito bacana essa iniciativa do SENAR-PR para incluir os jovens nessa área, que tem uma carência muito grande de formação de mão de obra nova. Além disso, é uma formação que acontece na prática, com a vivência dentro da própria empresa”, conclui. 

Além da formação técnica por meio de módulos específicos, o Programa AAJ trabalha valores comportamentais e humanos – as chamadas soft skills, um conjunto de habilidades e competências socioemocionais que permite ao indivíduo desenvolver uma relação positiva com o trabalho e seus colegas. 

“São consideradas características necessárias para que um profissional alcance aquilo que estabelece para a sua carreira. É a humanização do profissional, com valores humanos, trabalho em equipe, liderança, empreendedorismo, comportamento organizacional, enfim, características que qualquer profissional tem que ter para estar bem dentro de uma empresa”, destaca Marcia Aparecida. 

“O que mais trabalhamos é a parte da manutenção com segurança e a questão da organização dos sistemas mecânicos. Nós fazemos o passo a passo de manutenção, desmontando motores e entendendo as particularidades de cada peça e equipamento”, explica Réus, que no módulo específico de mecânica, aborda mecânica de motores e de transição, além de sistemas hidráulico e elétrico de máquinas e equipamentos.

Da Assessoria