Classificação etária: pais precisam estar atentos ao conteúdo acessado

Com o acesso cada vez mais facilitado a tecnologia e ao conteúdo das plataformas de streaming, os pais e responsáveis precisam estar atento aquilo que os filhos assistem. Alguns filmes, séries e vídeos parecem inofensivos, outros já evidenciam o conteúdo, por isso a classificação etária. Mas e quando as crianças e os adolescentes ‘entram na onda’ do que está no topo no momento e assistem o que não condiz com a idade?

A psicóloga, Jane Patti, faz um alerta em relação a uma série lançada recentemente. “A ‘Round 6’ tem atingido recordes de audiência na plataforma e também nas redes sociais. Ouvi o relato de muitos adolescentes com menos de 16 anos que viram algum post no Facebook, Instagram e Tik Tok e acabaram assistindo a série”.

Sobre a série, ela declara que é preciso estar atento a faixa etária, pois o conteúdo aborda temas que competem a idade. “O enredo envolve brincadeiras de criança e, acredito, que isso tenha contribuído para que elas tenham interesse em assistir. Cabo de guerra, bolinha de gude e batatinha frita 1, 2, 3 com a imagem da famosa boneca, são brincadeiras de criança que na série têm outra conotação no processo de eliminação do participante”.

SEMPRE ATENTO – Para a profissional, além do conteúdo não ser recomendado para menores de 16 anos e estar chamando tanto a atenção das crianças, outro fator que ‘liga o sinal de alerta’ o fato delas terem acesso a esse material. Ela comenta que os canais de streaming têm a opção de acionar a restrição de visualização por classificação etária – uma ferramenta que restringe a escolha do público infantil para que tenha acesso somente ao conteúdo apropriado à sua idade.

“Cada família adota uma conduta de criação para os filhos, ou seja, se deixam que ele tenha livre acesso aos mais diversos conteúdos disponíveis, é preciso saber que podem surgir dúvidas, pensamentos e condutas que não condizem com a idade. Contudo, é preciso destacar que a família é responsável por essa criança, esse adolescente, sua integridade física e mental, por isso, é importante acompanhar o que eles fazem, assistem e postam diariamente”, alerta.

CUIDADO COM O CONTEÚDO – A autônoma, Carolina Souza, conta que fiquei ‘assustada’ quando um dos sobrinhos comentado sobre a série. “Ouvi ele e alguns amigos, todos com 11 anos, falando sobre os personagens que perderam a vida no jogo ‘batatinha frita 1, 2, 3’. Eu conhecia a brincadeira quando eu era criança, mas do que jeito que eles falavam fiquei preocupada e para entender o contexto fui assistir a série”.

Segundo Carolina, ela foi questionar o sobrinho e ele disse que assistiu alguns episódios porque os colegas estavam assistindo e queria poder participar da conversa. “Essa fase de pré-adolescência faz com que eles tenham não querem mais se sentir criança e acabam buscando coisas que não são da idade. Sempre monitoramos o que é assistido e postado e depois desse fato aumentamos ainda mais o rigor em acompanhar o conteúdo que ele tem acesso. Somos pegos de surpresa, ficamos preocupamos e buscamos sempre melhorar para não falhar com eles”, conclui.

Da Redação

TOLEDO