Com a narração da atriz Andrea Avancini, Câmera Record mostra o drama de mulheres que tiveram imagens íntimas vazadas na internet

Neste domingo, dia 11/07, o Câmera Record ouve relatos dramáticos de mulheres que foram vítimas de crimes cibernéticos que envolvem conteúdo íntimo, com ameaças tanto de criminosos da internet quanto de antigos parceiros. Para dar voz a essas histórias, o Câmera Recordconvidou a atriz Andrea Avancini para gravar toda a narração do programa. 

De acordo com a Safernet, organização que atua no combate a crimes cibernéticos, 69% das vítimas de chantagem que envolve conteúdo íntimo são mulheres ou meninas adolescentes. “Ele sabe que aquela exposição daquele vídeo, daquela imagem, vai machucar aquela mulher mais do que se falar alguma coisa para ela pessoalmente”, diz Fernanda Félix Mendes, delegada titular da primeira Delegacia da Mulher de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. 

A equipe do programa encontrou mulheres que foram chantageadas por antigos parceiros – crime conhecido como pornografia de vingança. “Ele mandou uma mensagem falando que queria sair comigo. Se eu não saísse, ele ia postar uma foto minha, de um celular que ele tinha pegado meu”, relata uma das vítimas.

Mas nem sempre se trata de vingança. Às vezes a chantagem começa a partir de roubos ou furtos, por exemplo. Um caso deste tipo mudou para sempre a vida de uma mulher que hoje prefere não mostrar o rosto para as câmeras. Depois de ser furtada na rua 25 de Março, importante centro comercial popular de Sâo Paulo, ela conseguiu bloquear os dados e comprou outro aparelho. Mas logo recebeu uma mensagem ameaçadora – os criminosos tinham acessado um vídeo íntimo dela, feito com um ex-namorado.  “Eles começaram a pedir R$ 30 mil pra não divulgar a minha imagem na rede social”, ela relembra. 

No podcast, uma conversa com a advogada Bruna Kusumoto sobre como se proteger de crimes virtuais. Disponível na página oficial do Câmera Record no portal R7.com e nas principais plataformas de áudio.

Da Assessoria