Congresso se ilumina de vermelho pelo ​ Dia Mundial do Doador de Sangue

O Palácio do Congresso Nacional recebe iluminação vermelha, de 14 a 18 de junho, em comemoração ao Dia Mundial do Doador de Sangue, celebrado no dia 14/06. A data foi criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2014, com o objetivo de homenagear os doadores de sangue e conscientizar os não-doadores sobre a importância do gesto, responsável pela salvação de milhares de vida.

Segundo o Ministério da Saúde, 1,8% da população doa sangue de forma regular. Esse número fica um pouco abaixo dos 2% ideais definidos pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), e bem atrás dos 5% registrados em países da Europa. As doações constantes são essenciais, sobretudo nesse período de pandemia de Covid-19, quando houve queda de até 50% no número de doações em algumas regiões do Brasil.

Doação de sangue

O que é necessário para ser um doador de sangue:

– levar documento de identidade com foto e órgão expedidor;

– estar em boas condições de saúde;

– ter entre 16 e 69 anos de idade (de 16 a 17 anos com autorização do responsável legal);

– idade até 60 anos, se for a primeira doação;

– intervalo entre doações de sangue de 90 dias para mulheres e 60 dias para homens;

– pesar mais de 50 kg;

– não estar em jejum;

– após o almoço ou jantar, aguardar pelo menos 3 horas;

– não ter feito uso de bebida alcoólica nas últimas 12 horas;

– não ter tido parto ou aborto há menos de 3 meses;

– não estar grávida ou amamentando;

– não ter feito tatuagem ou maquiagem definitiva há menos de 12 meses;

– não ter piercing em cavidade oral ou região genital;

– não ter feito endoscopia ou colonoscopia há menos de 6 meses;

– não ter tido febre, infecção bacteriana ou gripe há menos de 15 dias;

– não ter fator de risco ou histórico de doenças infecciosas, transmissíveis por transfusão (hepatite após 11 anos, hepatite b ou c, doença de chagas, sífilis, aids, hiv, htlv i/ii);

– não ter visitado área endêmica de malária há menos de 1 ano.

Da Assessoria