Cresol destaca adaptação ao ‘novo normal’ para manter a qualidade do atendimento

Em um início de ano em que planejamentos estavam prontos para serem executados, o mundo foi surpreendido com a pandemia da Covid-19. De repente a rotina é alterada, rígidos protocolos impostos e novas formas de trabalho são apresentadas. Todos precisaram se adaptar aos contratempos do que ficou conhecido como o ‘novo normal’. O mundo teve que conviver com um inimigo invisível que fez repensar a forma de trabalhar e de viver. Mas também foi um momento de união e cooperação para vencer os desafios do momento.

Assim como outros setores econômicos, o cooperativismo também foi impactado pela pandemia. Adaptar-se a nova forma de trabalho sem perder sua principal característica, a aproximação com o cooperado, foi um dos desafios enfrentados pela Cooperativa Cresol.

O diretor superintendente da Cresol Integração Cleiton Staats destaca que a instituição tem como premissa o relacionamento com o seu quadro social, diferencial amplamente difundido e reconhecido pelos associados.

“Enfrentar um cenário de pandemia e com a recomendação do distanciamento nos fez reinventar e buscar formas alternativas de aproximação de modo que pudéssemos manter a qualidade do nosso atendimento evitando ao máximo a exposição a riscos dos nossos colaboradores e cooperados”.

MUDANÇAS – Entre as medidas, Staats comenta que a Cooperativa compreendeu que deveria trabalhar em dois focos principais com o objetivo de ajudar o cooperado a atravessar esse momento. O primeiro deles era ampliar o atendimento e facilitar o acesso à Cooperativa. Desta forma, estar ainda mais próximo do cooperado conhecendo e entendendo o seu problema oferecendo alternativas para solucioná-lo.

O segundo foco era o de ampliar as fontes de recursos e o leque de alternativas de crédito à disposição do cooperado. “Esses fatores foram fundamentais para construção de um ambiente que deu tranquilidade aos cooperados, pois eles sabiam que a Cooperativa estava de portas abertas e estava atuando ao seu lado para amenizar os impactos da pandemia nas suas vidas e nos seus empreendimentos”, pontua o superintendente.

A pandemia também provocou outras mudanças na rotina da Cooperativa, situação semelhante ao que aconteceu em outras empresas e repartições públicas como atividades em home office, intensificando o uso de canais digitais, as visitas pré-agendadas e os encontros virtuais tornaram-se uma rotina, além do desenvolvimento de uma série de aplicativos e de ferramentas que melhoraram a experiência do cooperado e possibilitaram a implantação de novos produtos e novos serviços antes não explorados pela Cooperativa.

CUIDADOS – Há 26 anos, no mercado, o crescimento e a expansão da Cresol tem feito da Cooperativa uma das maiores do país. Ela está presente em 17 estados, em mais de 600 cidades, com um time de mais de dois mil colaboradores e mais de 650 mil cooperados. Esse contingente de pessoas relacionam-se quase diariamente, e isso traz grande responsabilidade a Cresol.

Cleiton Staats esclarece que no início da pandemia a Cooperativa buscou intenso investimento na comunicação, capacitação e conscientização das equipes técnicas e diretiva. “Através deles construímos uma rede de multiplicadores de boas práticas que aliados aos canais de comunicação da instituição, disseminamos informação, conhecimento, e conscientização dos associados, dos parceiros e da comunidade”, cita.

Sempre conectada com a comunidade com ações sociais, durante a pandemia a Cooperativa precisou fazer alguns ajustes nos projetos e ações. O diretor superintendente conta que algumas foram adaptadas para plataformas digitais ou realizadas de maneira on-line, outras ações continuaram com as atividades pois não necessitavam de aglomeração, porém outras ações sociais foram suspensas ou canceladas, pela natureza dos projetos que, necessariamente, contavam com a proximidades das pessoas.

APRENDIZADOS – O ‘novo normal’ trouxe muitas mudanças. A pandemia do novo coronavírus colocou à prova muitos modelos de organização e a capacidade de reação humana. Mais do que nunca, os governos e as empresas devem cooperar para recuperar a economia mundial, proteger o empresariado, aquecer o comércio e assegurar apoio às pessoas.

A pandemia também trouxe muitos aprendizados para as cooperativas. O diretor superintendente da Cresol Integração Cleiton Staats cita alguns como ser flexível, adaptável, empático, conhecer profundamente as necessidades dos cooperados de seus empreendimentos e da comunidade, estar disponível para entender e buscar soluções para os problemas. “Nunca antes as expressões ‘parceiros’ e ‘fazer juntos’ foram tão importantes e tiveram um significado tão claro como nestes tempos”, conclui.

Da Redação

TOLEDO