Dia Nacional da Biblioteca marca a importância em preservar esses espaços

Já imaginou um local que consegue reunir a cultura de diversos povos, trazer a congelante sensação do polo norte e o escaldante calor do deserto, fatos reais que mudaram vidas e ‘viagens’ da ficção científica, histórias de amor de contos de fadas e as ‘durezas’ da vida real? Esse lugar existe. É um emaranhado de letras, ilustrações e imagens em páginas e mais páginas que podem reunir conhecimento e entretenimento. Para muitos, esse local é conhecido como biblioteca.

Na data de 9 de abril é comemorado o Dia Nacional da Biblioteca. Esse espaço que abre as portas da imaginação, de quem escreve e de quem lê a obra, é o caminho para conhecer o mundo e fugir da vida real. Quando seu acervo é vasto, a biblioteca se torna um espalho eclético, livre para todas as idades e os mais variados gostos quando o assunto é literatura.

“A biblioteca representa um instrumento de transformação social e uma das instituições mais democráticas que temos, uma vez que, é um local onde a informação é para todos sem distinção de sexo, raça, trabalho, credo religioso e convicções políticas. É um espaço onde você é livre para descobrir novos horizontes, descobrir os seus direitos e deveres como cidadão, é um lugar que te liberta”, destaca o bibliotecário responsável pelas Bibliotecas Públicas Municipais de Toledo, Hamã Candido Carvalho Lopes.

Para o bibliotecário, o Dia Nacional da Biblioteca tem como base incentivar a leitura e dar visibilidade as bibliotecas. Toledo conta a Biblioteca Pública localizada no Centro Cultural Oscar Silva e as extensões na Vila Pioneira e Estação da Leitura (anexa ao Terminal Urbano Luiz Grando).

ACERVO DE HISTÓRIAS – A Biblioteca do Centro, atualmente, possui aproximadamente 38.560 exemplares de livros cadastrados entre os acervos geral (obras técnicas, literaturas) e infantojuvenil e aproximadamente 3.780 cadastrados na gibiteca.

Na Biblioteca Extensão Vila Pioneiro apresenta aproximadamente 15.174 exemplares de livros cadastrados entre os acervos geral (obras técnicas, literaturas) e infantojuvenil e aproximadamente 5.004 cadastrados na gibiteca.

Já na Biblioteca Estação da Leitura são aproximadamente 5.010 exemplares de livros cadastrados entre os acervos geral (obras técnicas, literaturas) e infantojuvenil e aproximadamente 1.421 cadastrados na gibiteca.

“Temos mais de dois exemplares que foram emprestados e não foram devolvidos. O gênero mais procurado são as literaturas estrangeiras (americana, inglesa entre outras), mas temos também os pré-vestibulandos que movimentam bastante a parte da literatura brasileira”, pontua Lopes.

A última aquisição de obras, segundo o bibliotecário, ocorreu no final do ano de 2020 e foram de aproximadamente 300 obras para atender todas as bibliotecas. A maior parte delas já chegou à biblioteca e já está sendo preparada para empréstimo. Lopes explica que processo é feito através de licitação onde a biblioteca elabora a lista de livros baseada nos pedidos dos leitores e busca atualizar o acervo com obras da atualidade e efetuar a reposição de obras que eventualmente foram emprestadas e não foram devolvidas, ou foram extraviadas ou danificadas de alguma forma.

O leitor também pode ajudar a enriquecer esse acervo. “Para doar o livro o cidadão deve entrar em contato com a biblioteca, via e-mail ou por telefone, caso ela queira pode comparecer com o material na biblioteca para que seja feita uma análise prévia se o material se enquadra nas políticas da biblioteca, onde será avaliada a atualidade do conteúdo, o número de exemplares que já temos em nossos acervos, a saída desse material e a condição do mesmo, se não está com ausência de paginas, mofado ou com traças. Após feita a análise e o aceite do material, o cidadão preenche um termo de doação transferindo a posse do bem para a biblioteca”, complementa o bibliotecário.

LEITURA E PANDEMIA – Durante a pandemia, a biblioteca viveu e vive diversos momentos de portas fechadas. “Inclusive, infelizmente, teremos de comemorar este Dia Nacional da Biblioteca sem atendimento ao público. Com a pandemia a biblioteca teve que aderir a vários protocolos para garantir a segurança dos servidores, leitores e do material bibliográfico que é emprestado pelos usuários”, explica o responsável.

Quando a estrutura está aberta ao público tem algumas restrições como acesso as estantes do acervo, ou seja, os leitores não tem acesso as estantes, entrada apenas de duas pessoas por vez, uso obrigatório de máscara e álcool em gel, suspensão por tempo indeterminado do acesso aos computadores, leituras locais de livros e periódicos, suspensão dos jornais, todo o material emprestado quando retorna para a biblioteca entra em um isolamento de cinco dias, passados os cinco dias os livros retornam para as estantes e podem ser emprestados novamente.

“Mesmo com a Biblioteca fechada para atendimentos ao público estamos trabalhando com 100% de nossos esforços na migração de sistema, estamos saindo do Sistema de Administração de Bibliotecas (SAB), que era um software obsoleto e que já vem apresentando inúmeras falhas. Desde o começo de 2020 estamos cadastrando o acervo das bibliotecas no Software Pergamum, um programa robusto, estável e que irá beneficiar os usuários das bibliotecas públicas de Toledo, software este que futuramente poderá ser acessado por qualquer pessoa que possua um dispositivo conectado com a internet. Os cidadãos poderão realizar consultas, reservas e renovações online, serviços que hoje são realizados apenas de forma presencial”, esclarece.

ACESSO A LEITURA – Para realizar o cadastro, e ter acesso às obras do acervo, a pessoa deve comparecer ao balcão da biblioteca com os seguintes documentos: original e oficial com foto, comprovante de residência de no mínimo os últimos dois meses, nome e telefone de duas pessoas para referência.  A carteirinha fica pronta na hora e não possui nenhum custo.

A pessoa pode emprestar três livros do acervo geral (livros técnicos, literaturas em geral), dois livros do acervo infantojuvenil (literaturas infantis e juvenis) e dois Gibis, todos os materiais tem o prazo de 15 dias, podendo ser prorrogado por mais 15 dias. Caso o leitor atrase na devolução de algum dos materiais, ele fica com seu cadastro suspenso pelo mesmo número de dias do atraso (exemplo: leitor atrasou cinco dias a devolução do livro, ele ficará com o cadastro bloqueado por cinco dias) passada a suspensão o leitor pode retornar e retirar obras normalmente.

“Devido ao decreto ainda não estamos realizando atendimentos ao público, mas esperamos que em breve as bibliotecas possam voltar a receber o público. Aproveitamos para comunicar aos nossos leitores para que não se preocupem com o prazo de devolução das obras, neste período que a biblioteca está fechada, pois as devoluções terão suas datas transferidas para quando a biblioteca retomar o atendimento ao público”, conclui Lopes.

Da Redação

TOLEDO