Rio tem falta d’água após manobra para combater geosmina

Moradores de diferentes regiões do município do Rio de Janeiro relatam falta de água nesta sexta-feira, 19, após uma manobra realizada durante a madrugada pela Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) para tentar conter a disseminação de algas responsáveis pela concentração de geosmina, elemento que tem deixado a água distribuída no Rio com cheiro e gosto de terra desde janeiro de 2020. Há relatos de falta de água em bairros como Copacabana e Leme, na zona sul, e Grajaú, na zona norte. A manobra terminou na manhã desta sexta-feira e a normalização do abastecimento pode levar até 48 horas, em áreas situadas nas pontas dos sistemas de distribuição. A Cedae montou esquema especial para atender hospitais e outros serviços essenciais com carros-pipa, caso haja necessidade.

Segundo a Cedae, uma manobra preventiva foi feita no rio Guandu a partir da noite de quinta-feira (18) para renovar a água da lagoa próxima à captação da estação de tratamento. A operação foi concluída na manhã de hoje e a Estação de Tratamento de Água (ETA) Guandu voltou a funcionar normalmente.

A manobra foi realizada para evitar a proliferação de algas responsáveis pela concentração de geosmina, que vem crescendo nos últimos dias e que em janeiro de 2020 e janeiro deste ano deixaram a água distribuída no Rio com gosto e cheiro de terra. A operação consiste na abertura das comportas para o escoamento da água da lagoa com maior volume e velocidade. Para isso, foi necessário interromper a atividade da estação de tratamento, que voltou a operar na manhã desta sexta.

Além de outras medidas para reduzir a concentração de geosmina, como a aplicação de carvão ativado, a companhia informou que passará a bombear água do Rio Guandu diretamente para a lagoa, aumentando a entrada de água e, consequentemente, sua renovação. A instalação da bomba deve ocorrer em até dez dias.

A Cedae também solicitou aos laboratórios contratados para testar a qualidade da água maior rapidez na realização dos exames.

Segundo a Cedae, a obra de proteção da tomada d’água será a solução definitiva para o problema, e o edital da licitação para escolher quem vai executá-la será publicado em até 30 dias.

Ainda conforme a companhia de águas, mesmo em quantidade muito baixa (a partir de 0,004 microgramas/litro), a concentração de geosmina já muda o gosto e o cheiro da água, apesar de não representar risco à saúde dos consumidores.

A empresa afirma que três fatores causam a proliferação de algas nos mananciais: água parada, presença de nutrientes e luz solar. O fenômeno ocorre com maior frequência no verão, exigindo medidas preventivas para manutenção da qualidade da água que sai das estações de tratamento.