Ziulkoski assume Gestão CNM 2021-2024 com foco em pleitos históricos

Com homenagem às mais de 460 mil vítimas da Covid-19 no Brasil e reconhecendo a importância de mais participação de mulheres na política, o presidente de honra da Confederação Nacional de Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, assumiu o próximo triênio da entidade nesta segunda-feira, 31 de maio. A nova diretoria empossada estará à frente da Gestão 2021-2024.Na posse, Ziulkoski relembrou o histórico da CNM e o quanto o movimento municipalista avançou em representatividade e conquistas. “Não podemos partir para o futuro sem conhecer a nossa história. E essa luta vem de décadas, mais precisamente de 1981, com a Proclamação da República. Isso vai, talvez, mais cem anos”, afirmou, referindo-se à regulamentação do pacto federativo, uma das principais demandas da entidade.
A luta pela distribuição dos royalties de petróleo, que aguarda deliberação do Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), assim como o 1% adicional de setembro no Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que espera apenas aprovação em 2º turno na Câmara dos Deputados, foram listadas como prioridades para o início da nova gestão.

Também entre as iniciativas sugeridas pela CNM que serão foco da atuação municipalista, o presidente da Confederação elencou proposta que sugere uma emenda constitucioanl proibindo o o governo e o Congresso Nacional de criarem atribuições sem indicar fonte para pagá-las. “Vamos enfrentar esta luta, temos ânimo e vontade de tocar esse trabalho. Esse é o compromisso de nossa liderança. Quando há comprometimento, quando estamos engajados em uma luta, nós conseguimos”, resumiu Ziulkoski.

O então presidente da CNM Glademir Aroldi deixa a liderança do movimento municipalista após o triênio 2018-2021 com conquistas importantes, que somaram R$ 200 bilhões para os Entes locais. Ziulkoski agradeceu o empenho e os resultados da gestão que se encerra.

Perfil
Paulo Ziulkoski, ex-prefeito de Mariana Pimentel (RS), foi idealizador da Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios e líder da CNM por mais de duas décadas. Gaúcho, advogado e aguerrido combatente na luta municipalista, Ziulkoski tem 75 anos.

Em uma das dezenas de mobilizações que liderou em Brasília em prol dos Municípios, em 1998 viveu um momento emblemático, quando ele e cerca de mil líderes municipalistas e apoiadores foram recebidos pelas forças de seguranças com cachorros no Palácio do Planalto em Brasília. Outro momento marcante foi a primeira mobilização a favor do aumento do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), em 2003, quando Ziulkoski reuniu mais de 10 mil municipalistas na Esplanada dos Ministérios.

Tem destaque na sua história ainda a luta por mudanças na partilha dos royalties e por justiça na distribuição do Imposto Sobre Serviços (ISS) entre os Municípios, a previdência própria dos Municípios, entre outros. Em maio de 2017, inaugurou a sede própria da CNM, um marco no fortalecimento do municipalismo brasileiro. O espaço foi construído com recursos próprios seguindo a premissa defendida por Ziulkoski de uma entidade apartidária e com independência financeira.

Da Agência CNM de Notícias