Região

30% dos imóveis deixam de vistoriados em Cascavel

Cerca de 30% desses imóveis deixam de ser vistoriados, conforme avaliação realizada no fim de julho (Foto: Divulgação)

O município de Cascavel tem cadastrado aproximadamente 166 mil imóveis urbanos, que a cada dois meses precisam ser visitados pelos agentes do Programa de Controle de Endemias visando ao combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor não apenas de dengue, mas também de doenças como a febre chikungunya e o zika vírus.

Contudo, cerca de 30% desses imóveis deixam de ser vistoriados, conforme avaliação realizada no fim de julho. Isso significa que pelo menos 49.800 imóveis ficam sem monitoramento bimestralmente por estarem fechados ou por recusa do proprietário na hora da visita dos agentes.

De acordo com a diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Beatriz Tambosi, o Município apresenta um índice de pendência de aproximadamente 30%, quando o preconizado pelo Ministério da Saúde é de apenas 10%. "O índice de pendência é o total de imóveis fechados, por ciclo bimestral, que deixam de ser visitados pelos agentes de saúde", explica Beatriz, ressaltando que em Cascavel a maior parte dessa pendência está relacionada aos condomínios verticais, ou seja, a dificuldade em fazer as visitas de inspeção está principalmente relacionada aos apartamentos. "Em alguns condomínios nem é permita a entrada do agente de endemias, embora esses estejam sempre uniformizados e utilizando crachá de identificação e documento com foto".

Para diminuir esse índice de pendência foi sugerido, durante a reunião do Comitê Municipal de Combate ao Aedes aegypti, realizada no dia 27 de julho, uma sensibilização com o Sindicato da Habitação e Condomínios i (Secov). "A intenção é contar com o apoio do sindicato para realizar as visitas de inspeção em horários diferenciados, como em fim de tardes ou em fins de semana".

 

ÍNDICES

Embora no último Levantamento Rápido do Índice de Infestação para Aedes aegypti (Liraa) realizado entre os dias 17 e 20 de julho Cascavel tenha registrado 0% de índice de infestação nos 4.366 imóveis visitados, a situação não é de tranquilidade segundo Beatriz Tambosi, uma vez que a participação da população no combate ao vetor continua sendo de extrema importância, uma vez que os ovos do mosquito resistem às baixas temperaturas por até aproximadamente um ano. "É justamente neste ponto que o município precisa agir para melhorar, conforme roteiro de avaliação de monitoramento realizado pelos técnicos da 10ª Regional de Saúde", detalha.

Neste ano, foram notificados 860 casos suspeitos de dengue em Cascavel. Desses 41 são positivos autóctones e quatro positivos importados. Em relação ao zika vírus foram notificados 156 casos suspeitos. Desses, um caso positivo importado; de febre chikungunya foram notificados 112 suspeitos, sendo confirmado um caso positivo importado.