Toledo

“A amizade é um afeto recíproco e pode durar a vida toda”, diz psicóloga

A amizade é um vínculo e é dividir experiências (Foto: Graciela Souza)

Manter uma amizade é como cultivar um jardim: exige tempo e cuidado. É preciso se esforçar para ser um bom amigo e ser generoso ao demonstrar bondade ou interesse pessoal. Ser amigo é uma dádiva e também momento de doação.

No Dia da Amizade – nesta quarta-feira (14) - a psicóloga Anaí Licia Bassi Carloto explica que ninguém vive sozinho. Segundo ela, as pessoas se conhecem por meio das relações e dos vínculos. “Assim a amizade é um dos vínculos mais significativos e importantes que estabelecemos”.

Anaí comenta que ter amigos é ter com quem contar e se divertir, poder expressar o que é. “A amizade é um afeto gratuito e recíproco, pode durar um período ou a vida toda”.

Ela complementa que ser amigo é fazer parte desse vínculo, é dividir experiências, é a relação de confiança e a liberdade de ser eu mesmo. “Uma relação de reciprocidade onde cada um corresponde por seus próprios desejos e propósitos”.

 

SIGNIFICADOS

A amizade tem significados diferentes nas fases da vida. A psicóloga salienta que quando criança, a amizade tem papel importante no processo de desenvolvimento. “Por meio da socialização somos apresentados ao mundo que existe além da nossa família. Já na adolescência, a amizade faz parte do processo de independência, desvinculando do grupo familiar. Na idade adulta, os amigos que fizemos fazem parte da nossa história, da nossa memória vivida, da nossa biografia”.

A amizade também pode ser considerada uma forma de proteção. “Não nascemos para vivermos isolados, somos sociáveis e precisamos de amigos para enfrentar os problemas da vida e sermos felizes. Ter muitos e poucos amigos não diferencia a amizade, o que importa é tê-los”, relata a profissional.

 

MUDANÇAS

No entanto, apesar dos amigos fazerem parte da nossa história, muitas pessoas mudam com o tempo e, em muitos casos, assim é a amizade. “Ela muda conforme nosso amadurecimento, nossa forma de nos relacionar e pensar. Mas a essência dela nunca muda, assim como nossa essência de seres humanos”, pondera a psicóloga.

Ela ainda salienta que com o tempo a forma de nos relacionar com nossos amigos tem mudado. “Os avanços tecnológicos tornam as relações mais impessoais, mesmo assim, a essência da amizade não muda, pois a amizade nos proporciona prazer, aceitação, confiança, respeito, ajuda mutua, compreensão e abertura para a vida”.

Anaí conclui citando Jean Paul Sartre: “um amor, uma amizade, uma carreira, uma revolução: outras tantas coisas começam sem saber como acabarão. Assim é a amizade!”, finaliza.

 

COMO SURGIU

Durante o governo do imperador Cláudio II, quando foram proibidas as realizações de casamentos, um bispo romano chamado Valentim continuou a fazer as celebrações em segredo. O imperador acreditava que os jovens solteiros e sem família para sustentar se alistariam com mais facilidade, por isso decretou a proibição. Após ser descoberto, Valentim foi preso e condenado à morte. Enquanto estava na prisão, diversos jovens visitavam o local para jogar flores e bilhetes com mensagens que diziam que eles acreditavam no amor. Entre estes jovens, havia a menina cega Astérias, que era filha do carcereiro. Ao visitar Valentim, com permissão dada pelo pai, os dois acabaram se apaixonando, o que fez com que milagrosamente ela recuperasse a visão. Ele escreveu cartas onde assinava "de seu Valentim", expressão que ainda é usada nos dias de hoje. O Dia de São Valentim, conhecido como Dia da Amizade ou Valentine's Day é celebrado em 14 fevereiro, mesma data em que o bispo foi morto.