Toledo

Após votação do Fapes, servidores ocupam Gabinete da Prefeitura de Toledo

Após a aprovação, por maioria, do Projeto de Lei nº 162, do Poder Executivo, que “altera a legislação que dispõe sobre o regime próprio de previdência dos servidores públicos do Município de Toledo”, as centenas de servidores que foram ao Legislativo apenas atravessaram o pátio que separa a Câmara da Prefeitura e ocuparam o Gabinete do Prefeito Lucio de Marchi (PP).

A proposição enviada no início de novembro ao Poder Legislativo atraiu centenas de servidores ativos e aposentados à Câmara para acompanhar o debate do tema. Na segunda-feira a sessão precisou ser interrompida após a invasão do plenário por servidores aposentados e ativos e pensionistas, além de dirigentes do Sindicato dos Servidores.

Já na abertura da sessão de segunda-feira o presidente Renato

Reimann advertira para o que prevê o Regimento Interno da Câmara no artigo 274, incisos I e II, no sentido de que qualquer cidadão poderá acompanhar as sessões, desde que devidamente trajado e mantendo silêncio durante os trabalhos. No debate do Projeto de Lei 162, porém, o vereador Luís Fritzen foi interrompido pela ocupação da tribuna e espaço da Mesa Diretora por manifestantes aos gritos de “Retira!”. O vereador ainda retomou a palavra e apontou ainda que o prefeito Lucio de Marchi deve destinar R$ 83 milhões ao Fapes, que hoje tem R$ 276 milhões depositados para pagar as atuais e futuras pensões e aposentadorias dos servidores e que o ex-prefeito Beto Lunitti, mesmo com a redução de dois anos, destinou R$ 136 milhões.

Diante de nova manifestação com faixas e a palavra de ordem “O dinheiro é nosso” o presidente Renato solicitou aos manifestantes que ficassem no auditório e não no plenário, liberando a tribuna e a mesa dos trabalhos, mas diante da continuidade do protesto suspendeu a sessão, reiniciada nesta terça-feira, quando a votação foi feita, mesmo com novas manifestações.