Toledo

BRF em Toledo anuncia férias coletivas para 2 mil funcionários

Mais de 2 mil trabalhadores do setor de aves ficarão parados no mês de julho, o que preocupa o presidente do sindicato (Foto: Divulgação)

A BRF anunciou que dará férias coletivas para 2.200 funcionários do setor de aves do frigorífico em Toledo, no período de 2 a 31 de julho. O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Toledo e Região, que representa os mais de 6 mil empregados da unidade local, recebeu com surpresa o comunicado. O anúncio coincide com a decisão da União Europeia de suspender a importação de carnes e produtos derivados fabricados por 20 estabelecimentos brasileiros.

Em nota publicada pelo G1 Paraná, a BRF destaca que “a decisão considera a necessidade de adaptações no planejamento de produção, em decorrência de ajustes para atender a demanda atual, que foi impactada pela interrupção das exportações de aves da companhia para a União Europeia”.

O embargo da União Europeia se deve, conforme nota emitida porta-voz da Comissão de Saúde e Segurança Alimentar da UE, a "deficiências detectadas no sistema oficial de controle brasileiro". A suspensão atinge principalmente a exportação de carne de aves das unidades da BRF, dona das marcas Perdigão e Sadia.

Em contato com a assessoria da BRF, a reportagem do JORNAL DO OESTE não obteve a confirmação de que a unidade de Toledo teria sido afetada diretamente pelo embargo. A lista com as 20 unidades não foi divulgada pela UE "por razões comerciais".

 

SINDICATO

Em Toledo, em comunicado à imprensa, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação de Toledo e Região afirma que a notificação das férias coletivas foi inesperada. 

A comunicação, assinada pelo gerente de Recursos Humanos da empresa Felipe Augusto Maziero, também foi enviada Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Paraná em cumprimento ao disposto no artigo 139, parágrafo 3º da CLT. A decisão, segundo consta em ofício, tem por base a necessidade de adaptação no planejamento de produção em decorrência de ajustes de demanda na unidade.

Segundo o presidente do Sindicato da Alimentação de Toledo João Moacir Lopes Belino, essa situação é preocupante, pois em quase 38 anos como trabalhador da unidade, esta é a primeira vez que ocorre uma situação de férias coletivas para um número considerável de empregados.

“É inegável que exista essa preocupação ainda que fosse 1 ou 10 trabalhadores, mas estamos falando mais de dois mil. Hoje são férias coletivas, amanhã não sabemos o que pode acontecer”, disse o dirigente sindical.

João Moacir entende que nos últimos dias inúmeros boatos foram relacionados a situação da unidade de Toledo, inclusive de que poderia haver demissão em massa, mas muitas informações também chegaram distorcidas aos trabalhadores fazendo com que aumentasse a preocupação, mas por enquanto “ainda” não há motivos para alardes.

“O Sindicato está em contato permanente com a empresa e monitorando toda a situação. Qualquer informação que consideramos relevante vamos informar imediatamente os trabalhadores, bem como ampará-los no que for necessário. Quem tiver dúvidas, poderá entrar em contato com o Sindicato que estamos à disposição para quaisquer esclarecimentos”, explica João Moacir.